Taí mais um carro no estilo "dos sonhos" para fazer a alegria do público no Salão de São Paulo. O Fractal, conceito de cupê elétrico da Peugeot, vem sendo figurinha carimbada nas mostras automotivas: estreou em Frankfurt, pulou para Paris e já correu para desembarcar por aqui também. 

O visual é futurista, com vincos bem marcantes por toda a carroceria e rodas de 19" com desenho estiloso. 

Mas o que a montadora francesa faz questão de destacar no conceito está dentro dele: o i-Cockpit Peugeot do futuro, adiantando que essa proposta da marca só deve evoluir cada vez mais, e um trabalho diferente em termos de acústica e experiência sensorial.

A inspiração, segundo a Peugeot, vem dos auditórios e estúdios de gravação, por isso utiliza materiais como carvalho escuro no painel de instrumentos, painéis de portas e assentos, peças em cobre nas conexões de áudio e itens em 3D. 

Os assentos são em malha têxtil 3D com acabamento em couro branco, no volante há um touchpad integrado em cada um dos seus dois raio e sensores controlados pelo polegar acionam uma variedade de funções e equipamentos do veículo.

O Fractal dispõe também de uma tela tátil de 7,7 polegadas no console central e head-up display com leitura digital holográfica, feita por meio um display personalizável de 12,3 polegadas em HD, para informações adicionais. Informação bacana é que, de acordo com a marca, mais de 80% das peças interiores foram impressas em 3D.

As funções de sonorização, grande destaque do conceito, são fruto de parceria entre a StelLab, unidade de pesquisa da PSA Peugeot Citroën, e a Focal, líder francesa em sistemas de som. 

A composição é da "pesada": na frente são três alto-falantes de médio e alto alcance, dois tweeters, dois woofers e um subwoofer; atrás, dois alto-falantes de médio alcance, dois tweeters e um subwoofer. 

Há também uma membrana de fibra de linho para os alto-falantes processarem o som fielmente, batizada de Flax e caracterizada por um som grave. 

A restituição na área dos passageiros é fornecida por sete alto-falantes Flax e quatro tweeters de cúpula invertida de magnésio, enquanto dois subwoofers cuidam do som grave. O conjunto tem ainda quatro amplificadores FD compactos, constituídos por um total de catorze canais de amplificação de 1.600 watts.

Para completar, o Fractal dispõe de um sistema tátil de som grave de dois canais na parte de trás de cada assento. Desenvolvido pela SubPac, uma start-up americana, ele oferece uma experiência sensorial diferenciada, permitindo que o som grave viaje através de um meio sólido ao invés de somente pelo ar, ou seja, as ondas de som alcançam o ouvido por meio do corpo da pessoa. Que loucura isso, não é mesmo?

Outra informação interessante é que o som externo é assinado por um designer brasileiro, chamado Amon Tobin. Por meio desse sistema, o carro-conceito interage com outros usuários da estrada, como pedestres e ciclistas, que são alertados pela presença do cupê por diferentes sons específicos para a condição do veículo, como aceleração, desaceleração e velocidade de cruzeiro.

O cupê traz dois motores elétricos de 102 cv de potência (204 cv no total), um em cada eixo, alimentados por uma bateria de 40 kW, que garante autonomia de 450 km. 

Para dar um toque ainda mais tecnológico ao conceito, um relógio inteligente Samsung Gear S fornece informação contínua sobre o estado da bateria, tempo de carga, temperatura interior e localização. O relógio também faz abrir as portas e personalizar o funcionamento do ar condicionado e sistema de som, por exemplo.

Confira o vídeo divulgado pela Peugeot: