Curiosidades Destaque

5 mentiras que te contam sobre os carros vendidos no Brasil

Cuidado com os mitos urbanos e as mentiras que te contam sobre os carros para não cair no conto do vigário
Toyota Corolla GR-S 2023 [divulgação
Toyota Corolla GR-S 2023 [divulgação]

Uma mentira contava várias vezes e de maneira contundente às vezes parece se transformar em verdade. Em tempos de fake news, é preciso combater a desinformação com verdades. Por isso, reunimos aqui cinco grandes falácias que te contam sobre carros e por que elas não passam de histórias que fariam o nariz de Pinóquio crescer.

Boa parte do que está relatado aqui é difundido há anos e muitos a tomam como verdade, mesmo que o cenário tenha mudado. E repare: sempre que uma postagem na rede social ou uma conversa é iniciada envolvendo alguma das marcas ou situações aqui citadas, essas histórias sempre aparecem.

Carros franceses têm manutenção cara

O tempo em que os carros franceses tinham manutenção cara e complicada, em especial destaque para Peugeot e Citroën, já foi. Hoje as marcas francesas do grupo Stellantis têm bom atendimento na concessionária, comparável à boa fama de Hyundai, Honda e Toyota. Além disso, o preço está dentro da realidade do mercado e até abaixo das rivais.

Peugeot 208 Griffe [Auto+ / João Brigato]
Peugeot 208 Griffe [Auto+ / João Brigato]
Exemplo disso é que o Citroën C4 Cactus tem custo de revisão das cinco primeiras paradas de R$ 4.264, enquanto o Hyundai Creta no mesmo período custa R$ 4.441,08. Já o Peugeot 208 cobra R$ 3.136 por cinco revisões, mais barato que os R$ 5.198,06 do Toyota Yaris. Até mesmo com modelos idênticos, os franceses ganham:  os custos de revisão da Fiorino são de R$ 4.844 até os 60 mil km contra R$ 4.328 da Partner Rapid.

Carros japoneses não quebram

Toyota Yaris XS [Auto+ / João Brigato]
Toyota Yaris XS [Auto+ / João Brigato]
Todo carro quebra, isso é um fato. Não adianta rodar 200 mil km com um Toyota Corolla ou um Yaris sem fazer as revisões periódicas ou só trocar o óleo (sem trocar filtro). Muita gente fez isso e hoje muitos japoneses dos anos 2000 se encontram em estado deplorável. É preciso fazer a manutenção em dia. É fato de que os carros nipônicos têm um cuidado extra na engenharia e seus carros são mais confiáveis. Mas se não cuidar, é óbvio que vão quebrar.

Quanto maior o motor, melhor

Até hoje muitos dizem que motor 1.0 não presta por ser pequeno e sem força. Contudo, a grande maioria dos SUVs compactos utiliza motor 1.0 três cilindros turbo no lugar dos antigos motores 1.6, 1.8 e até 2.0. Veja como exemplo: a Fiat substituiu o antigo 1.8 E.Torq pelo novo 1.0 três cilindros turbo.

Fiat Pulse Impetus [Auto+ / João Brigato]
Fiat Pulse Impetus [Auto+ / João Brigato]
O motor usado pelo Argo contava com 139 cv e 19,3 kgfm de torque. Já o turbo do Pulse tem 130 cv e 20,4 kgfm de torque. Segundo o INMETRO, mesmo sendo mais pesado, o Pulse turbo faz 8,5 km/l na cidade e 10,2 km/l na estrada com etanol. O Argo faz 6,6 km/l e 8,6 km/l nas mesmas condições. E o 0 a 100 km/h chega 1 segundo antes no turbo. Só benefícios.

Precisa de protetor de cárter

Toda vez que um carro novo é comprado na concessionária, rapidamente o time de acessórios tenta empurrar o protetor de cárter. Mas já pensou que se a marca não oferece o equipamento como item de série é porque ele não é tão necessário assim? Protetor de cárter, hoje, só tem serventia real em um carro off-road.

carros
Volkswagen Nivus Highline Hero [Auto+ / João Brigato]
Para andar na cidade, ele só adicionará mais peso e comprometerá a segurança. Afinal, os carros modernos são projetados para jogar o motor no chão em caso de batida, para evitar o peso extra sendo arrastado para a cabine. Um protetor de cárter impossibilita essa função e pode piorar a deformação em caso de acidentes.

Fiat tira carros de linha muito rápido

Ao contrário de muitas marcas que mantém os mesmos carros por anos, mudando apenas de geração, a Fiat tem o costume de mudar de nome a cada novo ciclo. Isso fez com que muita gente acredite que a marca italiana tira todos os seus carros de linha rápido demais. O que é uma enorme mentira.

Fiat Uno Ciao [divulgação]
Fiat Uno Ciao [divulgação]
O Palio durou 14 anos na mesma geração, o Doblò se manteve por 20 anos e o Uno teve uma primeira carreira com 29 anos e a segunda geração permaneceu por 11 anos. No segmento de médios é que a troca é mais constante, mas durando o mesmo tempo que seus rivais. O Bravo durou de 2010 a 2016, mesmo tempo que o Ford Focus de terceira geração (2013 a 2019).

>>Volkswagen diz que seus carros ficarão ainda mais parecidos

>>5 mentiras que montadoras inventaram sobre seus carros no Brasil

>>5 carros que morreram no Brasil e (quase) ninguém sentiu falta

Sobre o autor

João Brigato

2 Comentários

Clique aqui para comentar