Curiosidades Destaque

CAOA Chery Tiggo 3X e outros 4 carros que morreram rápido demais

Mal chegaram ao Brasil e esses 5 carros já pegaram a fila do INSS e o CAOA Chery Tiggo 3X é o mais recente a figurar nessa lista
carros
CAOA Chery Tiggo 3X [divulgação]

O mercado brasileiro é cruel. Se os carros não fazem sucesso, dificilmente são mantidos em linha. Boa parte da culpa é dos custos altos de produção em solo nacional e também por conta de algumas estratégias da montadora equivocadas que fazem com que os carros encalhem nas lojas. Confira agora uma lista com 5 modelos que mal chegaram e já foram para a fila do INSS.

CAOA Chery Tiggo 3X

Apresentado em maio de 2021, o CAOA Chery Tiggo 3X estava prestes a completar um ano de Brasil e morreu. A marca chinesa decidiu fechar sua fábrica de Jacareí, onde também era feito o Arrizo 6, para modernizar a planta com o objetivo de produzir carros híbridos e elétricos. Como a planta não fabricará carros pelos próximos três anos, a dupla se despediu.

carros [divulgação]
CAOA Chery Tiggo 3X [divulgação]
Contudo, como o Tiggo 3X vendia mal e era muito criticado, não voltará nem como importado. Ao contrário do que acontecerá com o Arrizo 6 que virá importado da China. Vale lembrar que a fábrica também fazia o Tiggo 2, que era o Tiggo 3X menos moderno e com um arcaico câmbio automático de quatro marchas.

Renault Sandero e Logan CVT

Renault Logan CVT
Renault Logan CVT [divulgação]
Um ano e meio: exatamente foi esse o período que os carros populares da Renault tiveram câmbio CVT no Brasil. Sandero e Logan ganharam a caixa automática na reestilização da linha 2020, uma evolução gigantesca frente ao câmbio automatizado Easy’R que pouca gente se lembra que um dia eles já usaram.

Só que, já no ano seguinte, a Renault matou os dois. O problema era o visual quase Stepway e suspensão mais alta no sedã e no hatch obrigatório porque a caixa CVT raspava na lombada. No fim das contas, somente o Stepway seguiu carreira com câmbio CVT dentro da família Logan / Sandero.

Kia Rio

Kia Rio [divulgação]
Kia Rio [divulgação]
A Kia demorou tanto para trazer o Rio para o Brasil que ele acabou se tornando um gigantesco fiasco. O hatch compacto tinha tudo para dar certo, mas ficou quase três anos circulando em testes sem camuflagem e quando foi lançado, chegou caro e com motor 1.6 do HB20. Não que isso fosse ruim, mas o segmento demandava pelo motor 1.0 turbo.

Na época, a Kia dizia que a Hyundai boicotou o uso do motor 1.0 turbo no Rio para não criar concorrência com o HB20. Mais caro que o primo, o Kia vendeu mal e ninguém lembrava que ele estava nas concessionárias. Ironia do destino ou não, pouco depois do lançamento todos os rivais ficaram mais caros que ele e o Rio passou a ter um bom custo-benefício.

Ford EcoSport sem estepe

carros
Ford EcoSport [divulgação]
Muita gente reclamava do estepe pendurado na traseira do Ford EcoSport e a marca achou uma solução. Lançou em 2019 a versão Titanium com motor 1.5 aspirado e sem estepe. Os pneus regulares eram substituídos por run-flat e a tampa traseira ganhava um novo desenho. Era a mesma estratégia adotada na Europa, onde o público rejeitava estepes pendurados.

As vendas foram bem aquém do esperado e o rodar do EcoSport sem estepe era estranho pois ele tinha suspensão mole e pneus duros. No fim das contas, a Ford fechou suas fábricas no Brasil em 2020 e matou todos os carros nacionais de uma vez. Levando consigo não somente o EcoSport sem estepe, mas o modelo com estepe, além de Ka e Ka Sedan.

Fiat Brava

Fiat Brava [divulgação]
Fiat Brava [divulgação]
Lançado em 1995 na Europa, o Fiat Brava só chegou ao Brasil em 1999 depois de um verdadeiro fuzuê entre os hatches da marca italiana. A ideia era importar o Bravo da Europa e depois fazer o Brava no Brasil. Mas o dólar subiu demais e um navio cheio de carros vindos da Itália fez meia volta e fingiu que nada aconteceu.

O Brava atrasou, mas começou a ser feito em Betim, Minas Gerais, antes da virada do século. O problema é que o Stilo foi lançado em 2002 e já era o sucessor de Brava e Bravo. A Fiat ainda deu sobrevida ao hatch ousado como versão de entrada, mas em 2003 ele saiu de linha com apenas quatro anos de mercado.

>>5 carros tão bizarros que parecem fazer parte do multiverso da loucura

>>Os 10 carros menos vendidos do Brasil em abril

>>10 carros Matusalém: os modelos mais longevos da história

Sobre o autor

João Brigato

7 Comentários

Clique aqui para comentar

  • O Tiggo 3x Foi criticado devido ao Seu preço era pq custava 100 mil.. lembro da Hyundai TBM lançou o Creta a Quase 150 mil Muita gente reclamava tbm

    • Comprei, o Tiggo 3x pro! Tecnologia, conforto e não me arrependo! Onde passa chama atenção de todos. Caro é carro usado.

      • Comprei por 105.000 mas achei pequeno. Aí fui na mesma loja trocar com apenas 5.200 km. A loja da Caoa Cherry avaliou em 87.000. Imagina as outras. Caoa nunca mais

  • A matéria deu a entender que o Tiggo3xpro foi criticado negativamente. O que não é verdade! Oferece tecnologias que seus concorrentes não possuem, sendo um ótimo carro.

  • Matéria um pouco mal feita. O Tiggo 3x não saiu de linha pq vendia mal, ele era, junto com o 5x o carro que mais vendia da marca. E isso não aconteceu só com ele, a Chery fez isso também com o Tiggo 7 txs que era uma excelente proposta de SUV para deixar somente a vs PRO. A Chery poderia por ex, ter muito bem transferido a produção do Tiggo 3x para a fábrica de Goiás mas oq ela quis mesmo foi matar um carro que vendeu mais de 3mil unidades, aí não quer que as pessoas torçam o nariz para a marca. Você até pode repensar a venda de um veículo visto o mercado/produção enfim, mas o respeito para com o cliente vêm em primeiro lugar.

    • Sem dúvida, o respeito para com o cliente deve vir em primeiro lugar.
      Infelizmente não foi o que ocorreu com os clientes que compraram o Tiggo 3X.