Destaque Mercado

Carros produzidos no Brasil ficaram até 36% mais caros em 1 ano

Aumentos sucessivos de preços fizeram com que diversos carros produzidos no Brasil encarecessem muito, como aconteceu com a Chevrolet Montana
L200 Triton Outdoor
L200 Triton Outdoor (divulgação)

Depois de revelada a lista com os carros que mais encareceram no Brasil em 2020, ficou notável o impacto do aumento do dólar nos modelos importados. Dos dez modelos presentes, apenas um deles, a Chevrolet Montana, era nacional. Mas e entre os carros produzidos no Brasil (e no Mercosul), como ficaram os aumentos?

Com dados fornecidos pela Jato Dynamics ao Auto+, mapeamos os carros produzidos no Brasil ou no Mercosul que tiveram maior aumento de preços em um ano. Os valores comparativos são de janeiro de 2019 e de janeiro de 2021.

Chevrolet Montana 2021 [Divulgação]
Chevrolet Montana 2021 [Divulgação]
E como não poderia deixar de ser, a líder é a Chevrolet Montana, que já marcava presença na lista geral. Com 36,8% de aumento após um ano, ela teve seu preço de R$ 55.190 reajustado em R$ 20.300 para R$ 75.490 por conta da aposentadoria da versão Sport e a inserção de novos itens de série na versão LS, a única que restou.

E entre as picapes, ela não está sozinha: dos dez modelos da lista, seis tem caçamba. Em segundo lugar fica a Toyota Hilux Cabine Simples com aumento de 35,1% no preço. Ela foi de R$ 130.990 para R$ 176.990 e foi uma das únicas variantes da picape média a não receber visual reestilizado.

Toyota Hilux Cabine Simples [divulgação]
Toyota Hilux Cabine Simples [divulgação]
Sua rival, a Chevrolet S10 na versão LS de entrada com cabine dupla, teve aumento de 30,3% em seu preço. A diferença é que, ao contrário da Hilux, essa variante recebeu mudanças no visual.

Em compensação, modelos como Renault Oroch, Mitsubishi L200 Triton Outdoor e Nissan Frontier não mudaram de estilo ou de equipamentos, mas ganharam preço mais alto. A Oroch Dynamique automática subiu 29,6% em um ano, a L200 Triton Sport GLX encareceu 26,2%, enquanto a Frontier Attack teve acréscimos sucessivos até alcançar 23,1% de reajuste.

Nissan Frontier Attack 2020 (divulgação)

Além das picapes

Não tão distante do mundo das picapes, os SUVs Troller T4 e Toyota SW4 tiveram aumentos parecidos. O parrudo modelo derivado da Ranger na versão XLT automática subiu 22,8% quando comparado a 2019. Já o SUV da Hilux teve aumento de 22% na versão topo de linha SRX – valores impulsionados pela reestilização.

Por fim, apenas dois modelos na lista não estão no mundo dos SUVs e picapes: Volkswagen Jetta e Renault Sandero. O sedã produzido no México deixou de receber a versão de entrada sem nome, recolocando a Comfortline como opção de entrada. O movimento não resultou em redução de preço; muito pelo contrário, esse Jetta ficou 24% mais caro.

Volkswagen Jetta (divulgação)

Já o Renault Sandero se apresenta na versão esportivada GT Line com motor 1.0 três cilindros aspirado. Agora sem opção de motor 1.6 e câmbio CVT, a versão com adereços esportivos teve reajuste de preço de 25,4% ao longo de um ano.

Carros nacionais (Mercosul) com maior aumento de preços em 2020

  1. Chevrolet Montana LS – 36,8% de aumento
  2. Toyota Hilux Cabine Simples – 35,1% de aumento
  3. Chevrolet S10 LS – 30,3% de aumento
  4. Renault Oroch Dynamique Automática – 29,6% de aumento
  5. Mitsubishi L200 Triton Outdoor GLX – 26,2% de aumento
  6. Renault Sandero GT Line 1.0 – 25,4% de aumento
  7. Volkswagen Jetta Comfortline – 24% de aumento
  8. Nissan Frontier Attack – 23,1% de aumento
  9. Troller T4 XLT Automático – 22,8% de aumento
  10. Toyota SW4 SRX – 22% de aumento

>>Em 2020, Montana ficou 36% mais cara e Camry quase dobrou de preço

>>Avaliação: Chevrolet S10 High Country: não contavam com minha astúcia

>>Toyota Hilux 2021 ganha visual renovado e preços (bem) altos

Sobre o autor

João Brigato

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar