Curiosidades Destaque

Cinco carros legais vendidos na Argentina que deixam o Brasil com inveja

Como a grama do vizinho é mais verde, esses carros legais vendidos na Argentina provam que o mercado brasileiro poderia ser mais emocionante
Ranger Raptor [divulgação]
Ranger Raptor [divulgação]

Argentina e Brasil compartilham diversos carros e alguns costumes. Boa parte dos modelos vendidos lá no país vizinho são feitos aqui, enquanto quase todas as caminhonetes que rodam nas fazendas brasileiras tem passaporte argentino. Contudo, nem sempre o nosso mercado tem carros legais como os deles.

Entre carros legais que já foram vendidos no Brasil, mas depois descartados, passando até por versões mais interessantes de modelos vendidos por aqui, a Argentina tem uma rica cultura automotiva. Conheça alguns exemplos que nos deixam com inveja.

Volkswagen Golf

Apesar de ter sido produzido no Brasil e ser uma das grandes referências quanto a hatches médios, o Volkswagen Golf já não está entre nós. Por outro lado, lá na Argentina ele segue firme e forte. Enquanto em nosso país ele foi reduzido a carro de locadora em suas últimas unidades na versão GTE.

Por lá ele é oferecido nas versões Highline com motor 1.4 TSI de 150 cv ou a variante esportiva GTI com motor 2.0 TSI de 230 cv. Ambos usam câmbio de dupla embreagem, mas a relação de marchas é diferente: seis no GTI e sete  no Highline.

Chevrolet Cruze Sport6 manual

Enquanto aqui no Brasil a rejeição ao segmento de hatches médios e ao câmbio manual é gigantesca, lá na Argentina não é bem assim que a banda toca. Prova disso é que o Chevrolet Cruze Sport6, lá chamado apenas de Cruze 5, tem uma versão de entrada com câmbio manual.

Enquanto a versão Premier é idêntica à oferecida no Brasil, o Cruze hatch LT vem com transmissão manual de seis marchas. É uma interessantíssima combinação com o motor 1.4 quatro cilindros turbo de 153 cv. Pena que o brasileiro não gosta desse tipo de carro e só quer saber de SUVs automáticos.

Fiat 500 (e família)

U dos Fiat mais icônicos da história é, sem dúvida, além do Uno, o pequenino 500. Ele foi vendido aqui no Brasil por um tempo, sendo em duas fases: quando vinha importado da Polônia e depois do México. Fez um relativo sucesso, mas a Fiat desistiu dele. Mas não na Argentina.

Por lá ele tem o 500 regular, a versão conversível, como tivemos, mas duas variantes que nos fazem ter verdadeira inveja. O esportivo 500 Abarth ainda está à venda na Argentina como 0 km, enquanto por aqui é preciso garimpar no mercado de usados. Já o SUV 500X é um grande destaque uma lamentação da Fiat brasileira por nunca ter produzido ou importado ele para cá.

Ford Ranger Raptor e F-150 Raptor

A linha de modelos da Ford na Argentina é basicamente o dobro da oferecida no Brasil. Tal como nós, eles tem Territory, Ranger e Mustang. Contudo, os vizinhos ainda tem acesso ao SUV Escape (chamado de Kuga), a van Transit (já confirmada para o nosso mercado) e até o Mondeo (Fusion com outro nome e à beira da aposentadoria).

Mas a grande perda para os brasileiros está na linha Raptor. Os argentinos podem comprar a Ford Ranger Raptor, que é proibida por aqui por ser diesel e não levar uma tonelada de carga, além também da gigantesca F-150 Raptor. Até mesmo as versões normais da F-150 estão disponíveis por lá e não por aqui.

Hyundai Veloster

O brasileiro já foi fascinado pelo Veloster, mas a decepção foi grande. Quando a CAOA trouxe o modelo na primeira geração, o equipou com motor 1.6 de HB20 enquanto prometia muito mais potência. Lá na Argentina não foi assim e o cupê de três portas criou uma boa fama.

A Hyundai importa para a terra do alfajor a nova geração nas versões Turbo e até no esportivo N. Elogiadíssimo pela imprensa internacional, o Hyundai Veloster N conta com motor 2.0 turbo quatro cilindros de 250 cv e transmissão manual de seis marchas.

Toyota C-HR

Até hoje a Toyota não tem um SUV compacto no Brasil. E nem prende no próximo ano, já que o Corolla Cross é médio. Mas lá na Argentina, o C-HR é oferecido como SUV de entrada da marca e com bônus de ser híbrido.

É justamente por conta disso que ele nunca veio ao Brasil. Por ter somente motorização híbrida e construção cara, ele ficaria acima dos rivais diretos e não teria a mesma força no segmento. Uma pena, pois é um SUV com visual esportivo e motorização compartilhada com o Corolla e Corolla Cross.

>>Cinco versões legais do Fiat Uno que não tivemos no Brasil

>>Cinco carros da Chevrolet que foram salvos nas reestilizações

>>Carros que causaram polêmica quando foram lançados no Brasil

Sobre o autor

João Brigato

João Brigato

21 Comentários

Clique aqui para comentar