Destaque Novidades

Citroën C4 terá versão sedã, mas não para substituir o C4 Lounge

Nova geração de um sedã derivado do C4 tentará atuar no segmento abaixo dos médios, ou seja, não onde ficava o C4 Lounge
Citroën C4 [divulgação]
Citroën C4 [divulgação]

Tradicionalmente os modelos da linha C4 da Citroën atuam no segmento de médios. Sempre foi assim com o C4 hatch, com as irmãs Picasso. também com o sedã C4 Lounge e agora com o novo C4 transformado em SUV cupê. Mas a Citroën quer um novo sedã derivado do atual único membro da família 4, mas não para substituir o Lounge.

Segundo a revista L’Argus, o novo Citroën C4L está em desenvolvimento para substituir o C-Élysée. O modelo é um sedã compacto esticado – algo na mesma pegada de Volkswagen Virtus, Toyota Yaris Sedã e Honda City. Ou seja, um modelo que se encaixa entre o segmento de compactos e médios, ainda que esteja mais para o degrau de baixo.

Por isso a ideia não é mais substituir o C4 Lounge, mas sim ter um modelo para atuar abaixo do Peugeot 408 na China e preencher esse espaço aberto hoje no mercado. Ele pode fazer parte do projeto C Cubed que engloba o novo C3, um SUV compacto e já falava sobre um sedã.

Citroën C4 Lounge [divulgação]
Como a nova geração do Citroën C4 usa a plataforma CMP, a mesma do Peugeot 208 e do Citroën C3, isso facilitaria a produção do novo sedã no Brasil ou na Argentina. O que há de certo por enquanto é que ele será produzido em Madrid, Espanha, para atender à demanda europeia.

Entretanto, o grande foco do modelo será na China. Atualmente a Citroën conta com o Lounge e o C4L por lá, ambos derivados da geração antiga do Citroën C4. Esse novo modelo terá visual aventureiro, com para-lamas pretos, faróis divididos e estilo bastante ousado – típico Citroën. Espere pelo uso dos motores GSE Turbo da Fiat e também por uma versão 100% elétrica.

>>Só com o C4 Cactus, Citroën vende mais que a Ford no Brasil

>>As cinco faces do Citroën C3 ao redor do mundo

>>Citroën promete mais 2 carros além do C3 2022 pensados para o Brasil

Sobre o autor

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar