Destaque Mercado

Crise dos semicondutores diminui ainda mais produção de carros da VW

Fábrica da Volkswagen responsável pela produção de Polo, Virtus, Nivus e Saveiro terá apenas um turno de produção por conta dos semicondutores
Volkswagen Nivus Comfortline [Auto+ / João Brigato]
Volkswagen Nivus Comfortline [Auto+ / João Brigato]

Enquanto algumas marcas começam a retomar a produção gradativamente no Brasil, outras tem de tirar o pé do acelerador. A Volkswagen é uma dessas, que terá agora a fábrica de Polo, Nivus, Virtus e Saveiro trabalhando em apenas um turno. Além disso, a planta de São Bernardo do Campo (SP) terá suspensão de contrato de 1.500 funcionários.

Segundo o Automotive Business, esses funcionários entrarão em processo de lay-off que poderá durar de dois a cinco meses. Além disso, haverá férias coletivas para outros funcionários, o que colocará a fábrica paulista em regime de trabalho de apenas um turno por dia.

Com isso, a Volkswagen deve priorizar a produção do Nivus em detrimento de Polo, Virtus e Saveiro. Esse movimento já tem sido visto desde que a crise dos semicondutores começou, já que as vendas do SUV se mantiveram estáveis enquanto dos outros compactos caiu expressivamente.

Volkswagen Polo 2022 [divulgação]
Volkswagen Polo 2022 [divulgação]
As demais fábricas da Volkswagen seguem operando de maneira regular. Ou seja, a linha de produção do T-Cross em São José dos Pinhais segue com ritmo normal de produção, assim como a fábrica de motores de São Carlos. Além disso, a planta de Taubaté, onde nascem Gol e Voyage, também continua a operar sem problemas.

Vale lembrar que recentemente a Volkswagen tirou a central multimídia da lista de itens de série do Nivus Comfortline por conta da crise dos semicondutores. Além disso, as versões MSI de Polo e Virtus, além da MPI do hatch compacto, também perderam a tela central como item de série. Em todos os casos, porém, há como opcional a central multimídia.

Volkswagen Virtus MSI (divulgação)

Enquanto a crise dos semicondutores não acabar, algo esperado para o segundo trimestre do ano que vem, o preço dos carros vai aumentar e muitas fábricas ainda vão parar. E esses problemas ocorrerão não somente no Brasil, como em todo o mundo, como já alertou a Renault.

>>Taos Comfortline é forte custo-benefício entre SUVs médios | Avaliação

>>Ford apresenta seu primeiro Volkswagen rebatizado: volta da Autolatina?

>>VW Jetta GLI 2023 ficou mais econômico, mas sem perder potência

Sobre o autor

João Brigato

2 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Blablabla daqui , blablabla de lá para tentar justificar o injustificável. Tudo em prol dos lucros absurdamente altos. Simples assim. Fica a dica : Não entre na história de carro obsoleto , desatualizado , que tiraram de linha, aliás o que está virando festa nas montadoras entre tantas outras apelações mercadológicas. A verdade é que tudo está girando em torno de lucros fáceis que são proporcionados por quem gosta de jogar dinheiro fora para mostrar que é moderninho kkkkkkkk. Quem tem cuide , quem não tem continue sem se puder, quem não tem e precisa seja racional na compra e quem pretende trocar não dê esse gostinho aos aproveitadores alucinados por lucros fáceis e mais lucros fáceis.