Destaque Novidades

Flagra: Renault Kwid 2023 terá farois com LED e rodas de liga-leve

Primeira reestilização do Renault Kwid 2023 trará ao subcompacto mais sofisticação e ítens inéditos
Flagra Renault Kwid 2023 [Auto+ / Ricardo Protásio]

Enquanto na Índia e até na Europa, o Renault Kwid já anda com visual renovado, aqui no Brasil as mudanças ficaram para 2022. Flagrado em Campinas, interior de São Paulo, pelo leitor Ricardo Protásio, o novo Renault Kwid 2023 terá alguns itens inéditos para tomar o lugar do Sandero entre os populares da marca francesa.

A não ser que a Renault esteja escondendo muito bem o jogo, o novo Kwid seguirá exatamente as mudanças visuais aplicadas no modelo indiano e no Dacia Spring (versão europeia 100% elétrica). Pelo flagra, fica claro que o subcompacto terá faróis divididos, com porção superior com luz diurnal de LED.

Flagra Renault Kwid 2023 [Auto+ / Ricardo Protásio]
Flagra Renault Kwid 2023 [Auto+ / Ricardo Protásio]
A segunda metade fica no para-choque e traz iluminação comum, sendo acompanhada por uma falsa entrada de ar. Pelo flagra, também fica evidente que o Kwid terá, pela primeira vez no Brasil, rodas de liga-leve como item de série. Possivelmente o item estará presente somente na versão topo de linha Intense e na aventureira Outsider.

Na traseira, mudam as lanternas somente na parte interna, adotando luz de posição em LED. O para-choque recebe mudanças sutis com adoção de refletores na parte lateral. Ainda simples, a cabine terá novos tecidos, central multimídia do Captur e do Duster, além de painel digital bastante simplório.

Flagra Renault Kwid 2023 [Auto+ / Ricardo Protásio]
Flagra Renault Kwid 2023 [Auto+ / Ricardo Protásio]

Novo coração no Kwid 2023

Em um flagra anterior feito pelo Auto+, foi possível ver que a Renault também mexerá no motor do Kwid. Hoje ele conta com motor 1.0 SCe três cilindros aspirado com o acerto mais fraco da marca francesa:  70 cv e 10 kgfm de torque. O Kwid 2023 receberá comando de válvula variável, algo já presente nas versões 1.0 de Sandero e Logan.

Isso fará com que a potência e o torque subam para 82 cv e 10,5 kgfm quando abastecido com etanol. Com gasolina, a força será de 79 cv e 10,2 kgfm de torque. Outra novidade é a adoção do sistema start-stop para economizar ainda mais combustível. Com isso, o Kwid deve manter título de carro mais econômico do Brasil.

Flagra Renault Kwid 2023 [Auto+ / Ricardo Protásio]
Flagra Renault Kwid 2023 [Auto+ / Ricardo Protásio]

>>Renault Captur 2022 melhorou muito, mas é inferior ao Duster | Avaliação

>>Peugeot 208 vende mais que Chevrolet Onix e Renault Sandero em julho

>>Renault Oroch 2023 terá motor turbo, mas não muda de geração

Sobre o autor

João Brigato

10 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Esse facelift dará nova vida ao kwid. Mas será mera fantasia se a Renault não melhorar a qualidade dos acabamentos. Todos os proprietários que conheço dizem que até a maçaneta interna é descartável de tão frágil. A Renault precisa repensar nessa questão da qualidade dos acabamentos, isso cria uma imagem muito negativa, já não basta a imagem que os franceses tem no mercado brasileiro…

    • O intuito da Renault era fazer um carro barato…vc tem que escolher: baixo custo ou alta qualidade, os 2 junto não fecha a conta. Como agora o Kwid já se tornou um carro que a galera já conhece e compra, eles vão melhorar, mas tentarão manter o custo baixo.

  • Depois de algum atraso ..RSS ..7 anos..a renault vai colocar o motor q o carro deveria ter tido desde o início..agora sim..vale a pena..comprar…mesmo q seja só pelo motor…o bichinho vai voar…l

    • O motivo de não colocar é simples: custo!
      O que a Renault queria é o carro vendesse bem e para isso, fez o Kwid o mais barato possível (até mais do que o Fiat Mobi e bem mais em conta que o VW Up). Na minha opinião, eles deveriam manter essa regulagem e colocar a opção de comando de válvulas variável como opção mais forte, já o Fiat Mobi deveria tb a opção de 1.0 12V (atualmente é de 6V). GM, Citroen, tb poderiam ter um subcompacto com 2 tipos de 1.0 aspirado, sendo que o Citroen já teve o C1 e no exterior há o 1.0 12V PureTech, já a GM é só pegar o 1.0 aspirado do atual Onix e colocar um comando simples e pronto…tá feito os concorrentes do Kwid.

    • Tenho um kwid e gosto do carro .
      Acho desnecessária mais potencia no motor o carro a 140km fica muito instável e perigoso por isso nao precisa de mais motor e sim de melhorar o acabamento.

  • Tive um da primeira leva, 2017 modelo 2018. Rodei 73 mil kms sem nenhum tipo de problema, nem desgaste prematuro de peças. A ressalva vai para suspensão, muito barulhenta e não absorve muito bem as imperfeições do piso.