Destaque Mercado

Ford Ranger despenca e vende menos que Nissan Frontier em junho

Inexplicavelmente, Ford Ranger cai do ranking de vendas e fica abaixo até da lanterna do segmento, a Nissan Frontier
Ford Ranger Black [Auto+ / João Brigato]
Ford Ranger Black [Auto+ / João Brigato]

Alguns carros têm despencado no ranking de vendas por conta de produção suspensa ou falta de componentes. Mas nada justifica a queda tão forte que a Ford Ranger sofreu em junho. De sexta picape mais vendida do Brasil em maio, ela passou a décima colocada, atrás da Nissan Frontier.

Comumente, a Ranger figura em posições mais altas do ranking. É costume ver ela atrás de Toyota Hilux e Chevrolet S10. Em alguns meses, até mesmo à frente de alguma das duas picapes – em especial nesse período em que a S10 teve produção suspensa. Mas em junho ela perdeu metade do volume de vendas e foi parar na última colocação do top 10.

O retorno da produção da S10 fez com que ela subisse para a décima posição com aumento significativo do volume de vendas. Ela deixou a Volkswagen Saveiro para trás que, apesar de também ter crescido em junho, não teve o mesmo resultado da picape média da GM.

[divulgação]
A queda da Ranger beneficiou a Mitsubishi L200 Triton, que pulou para sexto lugar. Outra que viu vantagem nesse movimento do ranking foi a Nissan Frontier que finalmente descolou da última posição do ranking divulgado pela Fenabrave. Renault Oroch subiu do nono lugar para o sétimo com leve aumento no volume de vendas.

Fiat Strada, Fiat Toro, Toyota Hilux e Volkswagen Amarok permaneceram exatamente onde estavam. As italianas asseguram com folga a liderança, mas a Toro finalmente tem sentido os efeitos de sua reestilização. Ela vendeu praticamente 2 mil unidades a mais em junho, quando comparado a maio.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]

Picapes mais vendidas de junho

  1. Fiat Strada – 9.697 unidades
  2. Fiat Toro – 5.909 unidades
  3. Toyota Hilux – 3.535 unidades
  4. Chevrolet S10 – 3.321 unidades
  5. Volkswagen Saveiro – 2.932 unidades
  6. Mitsubishi L200 Triton – 1.195 unidades
  7. Renault Oroch – 1.052 unidades
  8. Volkswagen Amarok – 944 unidades
  9. Nissan Frontier – 771 unidades
  10. Ford Ranger – 747 unidades

>>Fiat Toro turbo flex 2022 não é rainha à toa, mas segue bebum | Avaliação

>>Nissan Frontier XE é old-school, com forte custo-benefício – Avaliação

>>Ford Ranger Black: urbana, elegante e bom custo-benefício | Avaliação

Sobre o autor

João Brigato

12 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Com concessionárias fechando, imagem abalada, falta de peças, decepção causada ao mercado desde funcionários desempregados, fornecedores e clientes abandonados, e com outras opções melhores no Brasil, alguém achou que a Fordesmanche teria futuro aqui? Várias peças já sumiram do mercado por falta de interesse dos fabricantes só no mercado de reposição.
    Convenhamos que a Ford ainda insistia com seus motores ultrapassados, gastões da Ranger com seus defeitos crônicos nunca superados, com seus câmbios power”Shit” problemáticos, com modelos lançados há duas décadas, com uma fábrica ultrapassada que ninguém se interessou em comprar, com a constante falta de peças que deixava seus carros parados mais de 3 meses em concessionárias… demorou para o mercado enxergar o que estava acontecendo. Até o final do ano não sobrará mais nem Ranger pra ela.

  • Desde o início do ano a Frontier deixou de ser lanterna na categoria, já deixando Amarok, L200 e agora a Ranger para trás. A falta de unidades da Frontier está atrasando as entregas e isso reflete nos licenciamentos. A Frontier que vendia em média 250 unidades por mes em 2016 atingiu quase 1.000 unidades emplacadas por mes na média neste ano.
    A Ford está vivendo o esperado. Não deve sobreviver em nosso mercado com sua linha de importados (caros e com opções melhores por aqui) e com a Ranger (com tantas opções mais seguras em nosso mercado). Aos poucos irá definhando.

  • Ford está morrendo no mercado brasileiro. Quem comprou os carros dela vai ter muitos problemas com certeza.
    Consegui vender minha Ranger 2018 logo no começo da crise de fechamento das fábricas, mas a loja que comprou (troquei num Eclipse Cross) me disse que hoje não pegariam mais. Só pegam Ranger hoje se for com 25% abaixo da FIPE e que isso vai piorar. Com o fechamentos das autorizadas isso só tende a piorar.
    A Ranger não era ruim para andar. Deu mais problemas do que eu achava que teria, mas era boa de rodar, mas nessa situação fica difícil.

  • Eu não confio em nenhuma montadora americana. A Ford não fechou só aqui, fechou em vários países. A GM já quebrou duas vezes e foi salva pelo governo americano, e aqui vive ameaçando de ir embora toda a hora.
    A Chrysler já chutou o Brasil duas vezes. Na segunda vez ainda prometeu se manter como empresa no Brasil mas logo deixou os donos de Dakota na mão.
    E a verdade é que eles hoje nem tem mais as melhores picapes nacionais. A qualidade mesmo está com a japonesas Hilux, Frontier e L200.
    Ford foi tarde.

  • A Mercedes conseguiu negociar a sua fábrica de Itirapina.Já a da Ford, em Camaçari, ninguém quer..Uma das causas é a logística complicada..Muito longe dos fornecedores(maioria em SP…)

    • Olá Márcio.
      Sim, concordo com você que a Hilux é importada e vende bem, mas a fábrica da Toyota está ativa no Brasil. Ela produz aqui, tem raízes.
      A Ford não tem mais nada, apenas um escritório de importação hoje.
      As concessionárias estão fechando, e ela demonstrou descaso com o nosso mercado. Claramente ela não tem um interesse sério aqui.
      Quando você tem fábricas no país, você mantém uma melhor estrutura de apoio, com engenharia, controle de qualidade, departamento de testes, pós-venda e outros recursos locais. Quando você tem só uma importadora, a marca fica desamparada. Mesmo tendo essa estrutura na Argentina, ela não está fisicamente presente aqui. Então, qual a dificuldade da marca em deixar de vez o mercado já que está 99% pronta pra isso?
      Além disso, montadora monta 80% dos carros com componentes de terceiros, e estes terceiros estão na Argentina hoje. Se ela decidir fechar lá também, o que não é nada difícil considerando que ela continua fechando fábricas pelo mundo, haverá muita dificuldade para se conseguir peças de reposição. Veja que hoje ela já tem essa dificuldade aqui, porque ela está perdendo a sua estrutura de distribuição que é a rede de concessionárias.
      Por isso as marcas procuram estabelecer fábricas aqui, e as importadoras exclusivas não sobrevivem muito tempo, a não ser que sejam de nicho.
      Na minha opinião a Ford se perdeu. Ela blefou para conseguir vantagens, não deu certo e quebrou a cara. Não vejo futuro pra ela no Brasil. Pelo contrário, como atuo nesse mercado, estou vendo a sua rejeição só aumentando, como aliás bem mostra essa reportagem.
      É triste, mas é a realidade.

  • Ford já era. Ela não vai sobreviver só de Ranger, e está perdendo a confiança do mercado muito rápido. Despencou para a 13ª posição, ultrapassada pela Caoa Chery que já é uma vergonha, pela Citroen e pela Peugeot. Só 1% do mercado. Ninguém suporta isso.
    O restante que ela quer trazer está ficando muito caro e tem opções melhores aqui.

  • Por mim ford já teria ido embora a muito tempo e levado a ranger com ela. Ela criou uma imagem com a tal da raça forte que não corresponde mais a realidade da caminhonete. Aqui na minha região só ouço queixas com ranger.
    Eu nunca tive uma, mas meu irmão teve, meus tios e alguns amigos. Depois de 2012 com o lançamento da nova geração só veja as reclamações aumentarem. Como a Toyota não tem descontos para produtor, o pessoal tem ido pra s10 e frontier e estão mais satisfeitos.
    Eu sempre tive l200 para trabalho aqui. Ninguém quer, por preconceito mesmo porque ninguém nunca teve, um ou outro, é raro. Mas não tenho problemas, só a concessionária que é um pouco longe para as revisões. Pode ser que até 2008 me disseram que ela era problemática, que esquentava muito e fervia. Tive de 2010, 2014, 2016, 2018 e atual 2020. Estou muito satisfeito.
    Então ford se é por falta de adeus, até nunca mais.

  • E qual é a surpresa aqui? Acho que isso já era esperado.
    Sem carros fabricados aqui, com concessionárias fechando, com importados que não emplacam e importando uma Ranger sem muitas vantagens em relação as demais, eu acho que isso era esperado.