Avaliação Destaque

Porsche Taycan, mesmo elétrico, é um esportivo absurdo – Impressões

Definições de insanidade foram atualizadas com o Porsche Taycan que prova que esportivo e elétrico são características totalmente combináveis
Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Porsche Taycan Turbo S [divulgação]

Quando os carros elétricos começaram a se popularizar, considerar um modelo movido a bateria como esportivo parecia heresia. Mas aí a Tesla mostrou ao mundo que eletricidade e velocidade combinavam. Porém com o Porsche Taycan a prova definitiva de que esportivo pode ser elétrico foi finalmente criada.

A Porsche levou um grupo de jornalistas para testar o novo sedã elétrico no circuito de Velo Cittá no interior de São Paulo e, para provar que era um Porsche de verdade, ainda levou consigo toda a linha do 911 e outros esportivos raiz. E dá para dizer sem medo, o Taycan é o mais insano deles.

Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Porsche Taycan Turbo S [divulgação]

Patada de 50 elefantes

A parte mais indescritível da experencia com o Taycan na pista é a aceleração. Ele sai da imobilidade e chega aos 100 km/h em 2,8 segundos na versão topo de linha Turbo S. Só não é mais rápido que o 911 GT3 RS, mas a maneira com a qual ele faz isso é diferente.

O Porsche Taycan te recebe com uma patada absurda. De fazer sua cabeça ir para trás e bater no encosto ao mesmo tempo que provavelmente seu baço será deslocado. É um coice, dos fortes e dos mais instigantes, pois tudo é feito com um barulho igual ao do metrô quando começa a se movimentar.

Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Só que não é só com o modo de arrancada que o Taycan produz esse efeito. Mesmo a velocidades mais altas, basta pisar forte no acelerador que ele novamente disparará tão forte que um carro a combustão não é capaz de replicar isso tão instantaneamente.

Por conta do sistema elétrico de 800V e do layout do motor elétrico diferenciado, o Porsche Taycan pode fazer sucessivas arrancadas e andar forte o tempo todo sem prejuízo para a performance (só para a carga da bateria, como o tanque de um carro a combustão).

Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Como a Porsche queria um esportivo de verdade, isso foi essencial mesmo às custas de um motor elétrico mais caro de produzir. É por isso que o Taycan Turbo S consegue arrancar tantas vezes seguidas mantendo o tempo de 2,8 segundos, enquanto o Tesla Model S vai perdendo performance a cada arrancada.

Segundo a marca, é possível rodar até 412 km com o Porsche Taycan Turbo S 100% carregado. A versão Turbo roda um pouco mais: 450 km, mas anda um pouco menos. Em ambos os casos, é preciso cerca de meia hora para atingir 80% da bateria em carregadores rápidos.

Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
De série ele traz carregador de 11kw que permite carregar as baterias em nove horas. Opcionalmente a partir de dezembro a Porsche trará um carregador de 22kw que restaura as baterias em 4,5 horas e terá instalação totalmente gratuita.

E vale lembrar, o nome Turbo é só por causa da tradição da Porsche. Não existe carro elétrico turbo.

Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Porsche Taycan Turbo S [divulgação]

Taycan é um Porsche de verdade

Depois de levar alguns modelos da Porsche para a pista como 911 GT3 RS, 911 Carrera S e até um Cayman GTS manual, além dos pesados Cayenne Turbo S E-Hybrid e Panamera Sport Turismo GTS era a hora do Taycan se provar. Afinal, se ele ostenta o logotipo da marca no capô e se vende como um esportivo, teria de provar que de fato era.

Apesar do porte mais para Panamera, ele anda como os 911. É um peso-pesado (2.370 kg) que tem dinâmica apurada e muita agilidade. Boa parte se deve ao motor elétrico de 761 cv na versão Turbo S e ao absurdo torque de 107,1 kgfm.

Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Porsche Taycan Turbo S [divulgação]
Por ser largo e ter centro de gravidade bem baixo (mais baixo que o do 911), ele se mantém bastante estável nas curvas. O deslocamento de peso é rápido e não atrapalha na trajetória do esportivo elétrico que tem direção bem calibrada e ágil. Não deve em nada aos irmãos esportivos de verdade.

Ele traz ainda diversos modos de condução. Em Range, a potência fica limitada para atingir mais quilômetros, enquanto a diversão vai subindo gradativamente entre os modos Eco, Sport e Sport Plus.

Turbo S [divulgação]
Turbo S [divulgação]
Nesse último, o Taycan emite um som vindo do motor que é bastante instigante. Diferentemente de carros a combustão que criam sons artificiais e estranhos dentro do carro, o Porsche tem um barulho artificial interessante e futurista – quase como o carro dos Jetsons e que faz lembrar o jeito de um motor a combustão.

Tecnologia para ser vista

Como pináculo da modernidade da Porsche, o Taycan traz todos os mimos possíveis. O painel é totalmente digital, formado por uma tela curva com formato clássico da marca. Há uma tela no console para controlar o ar-condicionado, logo abaixo da central multimídia.

Turbo S [divulgação]
Turbo S [divulgação]
Opcionalmente, o passageiro pode ter sua própria central multimídia no Porsche Taycan. Lá atrás, os passageiros sentam mais baixos que os da frente para ter espaço para as cabeças. Mas isso não significa que o joelho fica acima dos quadris. Além disso, há uma outra tela para controlar o ar-condicionado.

Ele tem porta-malas com abertura elétrica e abertura do bocal de abastecimento feita ao passar a mão no friso lateral.  A portinhola se esconde dentro do para-lama, que tem a típica curvatura da Porsche e pode ser visto ao volante como no 911.

Turbo S [divulgação]
Turbo S [divulgação]

Veredicto

Custando entre R$ 589.000 (Taycan 4S) e R$ 979.000 (Taycan Turbo S), com uma versão intermediária de R$ 809.000 (Taycan Turbo), esse Porsche pode até ser elétrico, mas é um esportivo de verdade. E de quebra é mais barato e anda mais que o Panamera topo de linha.

Ele traz uma das mais absurdas sensações ao dirigir por combinar força colossal com silêncio absoluto. É divertido de dirigir em qualquer situação como um esportivo deve ser, com o bônus de não poluir o meio ambiente.

Turbo S [divulgação]
Turbo S [divulgação]
Ao mesmo tempo, o Porsche Taycan tem espaço e conforto de sedã. A marca alemã chegou onde está com o 911 em quase 60 anos de desenvolvimento. Agora se o Taycan é só o primeiro elétrico da marca, o pontapé inicial, e já é verdadeiramente absurdo, imagine o que virá nos próximos anos.

>>Porsche Panamera ganha nova versão híbrida de R$ 1.049.000 no Brasil

>>Porsche Cayenne Coupé ganha duas novas versões no Brasil

>>Demanda pelo Taycan é tão alta que Porsche pediu ajuda à Audi

Sobre o autor

João Brigato

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar

Vídeo

Triumph T120 Black: uma clássica Bonneville com pegada agressiva