Destaque Novidades

Iran Khodro: a iraniana que produz Peugeot dos anos 80 até hoje

Lista de clássicos da Peugeot ainda produzidos pela Iran Khodro é composta por 405, 206 e 207 brasileiro
IKCO Peugeot 405 [divulgação]

Mercados em desenvolvimento como Brasil, Índia, China e Rússia costumam produzir um carro por anos a fio sem alteração. Quando não mantém um modelo antigo em linha mesmo com a chegada de um novo (alô Chevrolet Joy). Mas nada supera a iraniana Iran Khodro que produz até hoje um Peugeot dos anos 1980, além do clássico 206 e do 207 brasileiro.

Fundada em 1962, a IKCO é a maior fabricante de automóveis do Oriente Médio, tendo produzido cerca de 1 milhão de carros desde sua criação por Aliakbar Khayami, na capital Tehran. Até hoje o recorde de produção da empresa foi de 111.111 carros em 1997, desde então ela vem mantendo média de cerca de 100 mil carros por ano.

IKCO Peugeot 206 [divulgação]
Desde sua criação, a Iran Khodro mantém parceria com a Peugeot, mas também é a responsável pela produção de modelos de outras marcas no Oriente Médio, todos com idade bastante avançada quando comparados aos equivalentes internacionais.

Hoje a IKCO fabrica a primeira geração do Renault Logan e sua variante picape, o antigo Suzuki Grand Vitara e o chinês Dongfeng H30 Cross. Mas para voltar no tempo de verdade, é preciso ver os modelos Peugeot da Iran Khodro.

Areias do tempo

Lançado na Europa em 1987 e aposentado dez anos depois, o Peugeot 405 continua em produção lá no Irã desde 1992. O modelo é conhecido internacionalmente por sua robustez e pelo desenho que, para época, era bastante moderno. Foi o 405, inclusive, o último Peugeot vendido nos EUA.

Lá no Irã, o modelo ganhou até mesmo uma variante picape com dianteira levemente reestilizada, chamado de Arisun. Mas o mais curioso do Peugeot 405 é a versão RD. Ao contrário do 405 padrão que tem tração dianteira, essa variante usava plataforma do IKCO Paykan de tração traseira com o visual do sedã da Peugeot.

Dentro da família 405 há o modelo tradicional com visual dos anos 1980, uma versão reestilizada com faróis com projetores e interior mais sofisticado e também o Peugeot Pars, que é outra modificação do sedã, esse com visual noventista.

IKCO Peugeot Arisun [divulgação]
Outro grande ícone da Peugeot que continua vivo lá no Irã é o 206. Sem modificações desde que foi lançado, o modelo é vendido tanto na versão tradicional hatch, quanto em opção sedã nunca oferecida no Brasil.

Ele divide as concessionárias da IKCO com o 207 brasileiro, que nada mais era do que o 206 com dianteira diferenciada. A versão sedã, chamada de Passion no Brasil, também é oferecida. Em relação ao nosso 207, o modelo iraniano traz faróis com LEDs e projetores, luzes traseiras de LED, central multimídia e volante dos modelos europeus.

IKCO Peugeot 405 [divulgação]
Caminho próprio

Com toda expertise adquirida ao longo de anos produzindo modelos da Peugeot, a IKCO também criou sua própria marca e seus produtos. O primeiro foi o Paykan, que era baseado no Hilman Hunter de 1966, mas que só saiu de linha no Irã em 2005. Sua plataforma foi usada no 405 SD de tração traseira.

Hoje a linha conta com o sedã Samand, lançado em 2000. Ele usa a mesma plataforma do 405, mas tem visual inspirado nos modelos da Seat dos anos 1990. Há uma versão com entre-eixos alongado chamada de Sarir.

Há também o Soren, versão melhorada do Sarir que, surpreendentemente, trouxe uma variante 100% elétrica em 2006. Entre os projetos próprios da IKCO está o estranho sedã Dena e sua versão melhorada, o Dena Plus. O primeiro foi lançado em 2015 e o segundo em 2017.

Mas o destaque da marca vai para o Runna, considerado o segundo carro nacional do Irã (o primeiro é o Samand). Apesar de toda pompa, ele ainda é um Peugeot. Mais especificamente um 206/207 sedã com visual genérico e acabamento piorado.

>>Peugeot não dá conta da demanda pelo novo 2008, descartado para Brasil

>>Peugeot 3008 2021 se inspira no novo 208 e ganha versão de 300 cv

>>Peugeot prepara fábrica uruguaia para receber rival de Hilux e S10

Sobre o autor

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar