Destaque Novidades

JAC E-JS1 ganha versão aventureira exclusiva do Brasil por R$ 174.990

Animada com o sucesso do E-JS1, JAC lança a versão aventureira EXT do hatch subcompacto que substitui o iEV20
JAC E-JS1 EXT [divulgação]
JAC E-JS1 EXT [divulgação]

Nascido como J2, convertido em elétrico como iEV20 e depois melhorado pela Volkswagen como E-JS1, o hatch subcompacto da JAC ganhou novidades no Brasil. Lançado há pouco tempo, o modelo agora tem uma versão aventureira disponível por R$ 179.990. Com a chegada do JAC E-JS1 EXT, o iEV20 sai de linha.

Custando exatos R$ 15 mil a mais que o E-JS1 padrão e R$ 5 mil a mais que o iEV20 que saiu de linha, o novo JAC E-JS1 EXT foi desenvolvido para o mercado brasileiro. Inicialmente ele será exclusivo para o nosso mercado, ainda que seja produzido na China como todos os outros modelos da JAC.

Suspensão mais alta

Como diferencial, o EXT (sigla para Extreme) tem suspensão elevada e tem altura em relação ao solo 1 cm mais alta que o iEV20 que saiu de linha. Ele também ganha novas rodas de liga-leve de 14 polegadas calçadas em pneus de uso misto 175/70 R14. Ele traz ainda teto pintado em preto fosco e apliques plásticos nas laterais.

JAC E-JS1 [Auto+ / João Brigato]
JAC E-JS1 [Auto+ / João Brigato]
Há também adesivos E-JS1 EXT na traseira e lateral. O rack de teto reto veio do iEV20 e casa bem com o visual mais parrudinho do subcompacto elétrico. De resto, ele segue igual ao modelo em que é baseado. As cores, inclusive, são as mesmas: verde limão, verde claro, branco, vermelho, azul e rosa.

O motor também não muda: trata-se de um elétrico de 62 cv e 15,3 kgfm de torque que impulsiona as rodas da frente. O peso total é de 1.180 kg, o mesmo do modelo não aventureiro, segundo a JAC. A autonomia foi mantida em 302 km, apesar da suspensão mais alta. Além disso, a velocidade máxima segue limitada a 110 km/h.

>>Elétrico mais barato do Brasil: JAC E-JS1 tem sabor de VW | Impressões

>>Volkswagen recicla JAC T6 e o lança com nome de BMW

>>JAC lança o iEV350T, primeiro VUC elétrico por R$ 220.000

Sobre o autor

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar