Destaque Novidades

Mercedes-Benz GLC 2023 evolui seguindo os (bons) passos do Classe C

Carro mais vendido da Mercedes-Benz no mudo, o GLC é o tipo de produto que a marca não pode errar, por isso se influenciou no Classe C
Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]
Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]

Dentro do sistema de nomes e modelos da Mercedes-Benz, todo carro Classe é um modelo urbano, sendo sedã em sua maioria, mas também perua, hatch ou minivan. Já os GL são os SUVs e sempre ligados aos modelos Classe. O GLC, por exemplo, é o SUV do Classe C – e tal qual seu irmão sedã, ganhou nova geração com desenho evolutivo.

Nada de radicalismos aqui como foi quando a Mercedes-Benz substituiu o GLK pelo GLC. O formato geral da carroceria da segunda geração do modelo mais vendido da marca alemã não mudou mais parecendo uma reestilização profunda que uma nova geração. Contudo, ele cresceu em todas as dimensões.

O GLC 2023 está 6,09 cm mais longo chegando0 a 4,71 m, além disso é 0,16 cm mais baixo, mas a largura foi mantida em 1,89 m, enquanto o entre-eixos cresceu 0,15 cm, registrando 2,88 m. O porta-malas cresceu em 70 litros, atingindo generosos 620 litros de capacidade total, mas o interior está praticamente inalterado em questão de dimensões.

Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]
Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]

Tipo 911

Tal qual o Porsche 911 e o próprio Classe C, o Mercedes-Benz GLC tem elementos comuns ao modelo antigo, como o desenho dos para-choques e a carroceria. A dianteira tem faróis full-LED com desenho arredondado e apenas uma pontinha ligada à grade frontal. Por falar nela, nas versões off-road o desenho é oval e sorridente e nas AMG forma um trapézio nervoso.

Na traseira a lanterna invade a tampa do porta-malas se afunilando em direção a uma barra preta que conecta as duas metades. O desenho é bem parecido com o do próprio Classe C, mas a ligação entre elas é algo que somente o GLC tem. Outra influência forte do Classe C é a cabine com central multimídia vertical de 11,9 polegadas e painel digital de 12,3 polegadas.

Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]
Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]

Sopa de letrinhas

Como todo novo modelo, o Mercedes-Benz GLC vem muito recheado de tecnologias. Ele traz atualizações via internet, Android Auto e Apple CarPlay sem fio e uma inusitada câmera que produz imagens em 720p de tudo que acontece à frente do SUV. Assim, em caso de acidentes, tudo será registrado pela câmera, inclusive com marcação de velocidade e tempo.

O head-up display agora é colorido e traz informações como altitude, inclinação e bússola, além de direções do GPS. Idea da Land Rover, mas o GLC também traz sistema de capô transparente, em que a câmera frontal grava imagens que produzem esse efeito para saber o que está debaixo do carro.

Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]
Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]

Só quatro cilindros

Uma mudança importante dessa geração do Mercedes-Benz GLC e que aconteceu já com o Classe C é o uso somente de motores quatro cilindros. As versões de entrada usam um 2.0 quatro cilindros turbo dotado de sistema micro-híbrido com 258 cv no GLC 300 ou 201 cv no GLC 200. Ele é gerenciado por um câmbio automático de nove marchas.

Ele conta também com versões híbridas plug-in com 201 cv no GLC 300e e de 248 cv no GLC 400e. Segundo a marca, ele é capaz de rodar até 100 km sem precisar carregar. O SUV ainda traz duas versões diesel: 220d e 300de, mas que não tiveram dados de potência divulgados ainda. O diesel e o híbrido devem ser os escolhidos para o Brasil.

Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]
Mercedes-Benz GLC 2023 [divulgação]
Haverá ainda versões AMG usando o mesmo 2.0, mas ligado a um sistema híbrido completo. É esperado que ele entregue 400 cv no GLC 43 AMG e mais de 500 cv no GLC 63 AMG. Todo Mercedes-Benz GLC, independente da versão, tem tração nas quatro rodas 4Matic.

>>Mercedes-Benz GLC briga com os híbridos com diesel | Avaliação

>>Último Mercedes-Benz manual da história será feito no ano que vem

>>Mercedes-Benz lançará o EQS no Brasil: agora só falta o Tesla Model S

Sobre o autor

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar