Curiosidades Destaque Novidades

Museus de automóveis também dentro de casa

Histórias dos mais diversos modelos podem ser conferidas até mesmo por meio de tour virtual
Mercedes-Benz Museum (divulgação)

Já que hoje é dia de #tbt, nada como falar de museu para remeter ao passado, não é mesmo? Por isso, separamos, aqui, alguns locais que são um verdadeiro mergulho na história do automóvel. E o melhor de tudo, vários deles permitem realização de tour virtual. É isso mesmo, se você é amante de carros, é possível visitá-los, daí, do sofá de casa. Uma boa em época de isolamento social.

Não é mais necessário pegar um avião e viajar por horas até a Alemanha para visitar o museu da Mercedes-Benz. O imponente complexo que até virou cartão postal da cidade de Stuttgart, permite acesso virtual, onde o visitante pode conhecer todos os 160 veículos da marca por meio de fotos panorâmicas, vídeos e informações sobre a história da marca. Tem também o tour virtual por drone, como você pode conferir aqui.

Museu Mercedes-Benz (divulgação)

Como um dos pais da Mercedes-Benz, o engenheiro Karl Benz foi o responsável por inventar o automóvel lá em 1886. E, por razões óbvias, esse primeiro veículo tem lugar de destaque no museu. O espaço também abriga outras inovações da marca, como motos, ônibus e caminhões. E, claro, os carros que fizeram história nas pistas não poderiam ficar de fora. No total, são 1.500 peças distribuídas em nove andares.

Quem também deu a opção de tour virtual de presente ao público foi a Porsche. De maneira interativa, em 360 graus, é possível conhecer detalhes da história da marca alemã. O local – de 25 mil metros quadrados – é recheado de modelos icônicos, como o ‘carro do povo’, criado por Ferdinand Porsche, que tinha motor traseiro de quatro cilindros refrigerado a ar e transportava quatro pessoas.

Conhecido como Número 1, o 356 representou o sonho de Ferdinand Porsche em desenvolver um esportivo. Seu motor boxter com pouco mais de 1.100 cilindradas gerava modestos 35 cavalos de potência e atingia 135 km/h de velocidade máxima. Marcou o início de uma obsessão pelas corridas.

Outro dado curioso é que, em 1963, veio o sucessor do 356, o 911, que se tornaria um marco na história do automóvel. O tiro foi tão certeiro que, até hoje, o carro é sonho de consumo de quase 100% das pessoas – e mesmo após várias gerações, suas características principais são mantidas.

911 dentro do Museu da Porsche (divulgação)

E foi em 1996 que a fabricante inovou mais uma vez, lançando o Boxter. Com motor central de 2,5 litros e seis cilindros, o roadster tinha 204 cv e, preservando no design a genética da marca, garantiu seu espaço e autonomia mesmo diante do carismático 911.

E é claro que não dá para falar neste tour sem ver os atributos do Carrera GT, considerado por muitos o melhor esportivo já desenvolvido pela Porsche. E não por acaso, já saiu da mesa de projetos com o objetivo de desbravar a Le Mans. Só para instigar, vale falar nos dados de performance deste ícone: com motor 5.7 de dez cilindros em V, gera 612 cv. A máxima é de 330 km/h.

Museu Porsche (divulgação)

Francesas também têm museu
Por meio de um site Citroën Origins é possível saber a história de todos os modelos da Citroën. Por meio de fotos em 360 graus, a página conta todos os detalhes da gama entre 1919 e 2020. Mas, se você prefere esperar o final da quarentena e visitar a história centenária da marca in loco, o Conservatoire, na França, é excelente opção.

O local tem muitos modelos marcantes, como o pioneiro – lançado logo após o fim da Primeira Guerra Mundial – Tipo A, comercializado apenas quatro meses após o conflito. Vendeu 10 mil unidades.

Lá, há muitos modelos marcantes em exposição, mas dá para focar em dois ícones: o Deux Chevaux (dois cavalos, em português) e DS. O primeiro deles, foi lançado em 1948 e era uma espécie de Fusca francês, com robustez e simplicidade na medida certa. Já o DS foi marcado pela inovação, oferecendo raras tecnologias como direção hidráulica e faróis com luzes direcionais. A suspensão hidropneumática tinha regulagem em três alturas.

A 430 quilômetros de Paris, o berço da Peugeot também conta sua rica história através da exposição de modelos de carros no l’Aventure. Tem, também, ferramentas, máquinas de costura e moedores de grãos. Sim! Quando a história da marca começou, há mais de 200 anos, foi justamente produzindo esses itens.

Museu Peugeot (Auto+)

Mas, voltando aos carros, o Tipo 15 ali exposto foi o primeiro da marca a rodar no Brasil. E quem trouxe foi o ‘pai da aviação’ Santos Dumont apenas para dar de presente para o irmão, em 1898. No lugar do volante, o tal modelo tinha apenas uma alavanca. Nele, duas barras de metal precisavam ser aquecidas para gerar ignição.

E uma curiosidade: essa história de nomear os carros com sequência de três ou quatro números, sempre com o zero no meio, começou lá na década de 1930, com o lançamento do compacto 201.

Presencial ou virtualmente, a lista de atrações existentes em museus de automóveis é imensa. E não acaba aqui! Outras marcas permitem que o apaixonado por carro se delicie com suas histórias, mesmo que seja para fazer um tour por meio do Google Maps. É isso aí, marcas como Ferrari, Lamborghini e Toyota, por exemplo, permitem que você se sinta em casa ao visitar seus acervos em 360 graus.

Veja mais:

>> Visite esses museus com motos sem sair de casa

>> 1º Museu da imprensa automotiva, MIAU é inaugurado em SP

>> Conheça a história do Mustang 00001

Sobre o autor

Vagner Aquino

Vagner Aquino

Comente

Clique aqui para comentar

Vídeo

Triumph T120 Black: uma clássica Bonneville com pegada agressiva