Mercado Novidades

Peugeot planeja voltar aos EUA em 2023

Nenhuma marca francesa hoje vende carros na América do Norte, mas a Peugeot quer ser a primeira a voltar
Peugeot 208
Peugeot 208 (divulgação)

Desde 1992 que um carro francês não sai de uma concessionária norte-americana cheirando novo. A Peugeot foi a última a sair dos EUA e Canadá e quer ser a primeira a voltar. Com a ajuda da FCA no novo grupo Stellantis, a Peugeot vai marcar seu retorno à terra do Tio Sam em 2023.

Dois anos antes do originalmente planejado (a Peugeot havia prometido que ia voltar aos EUA em 2026), a marca francesa quer invadir o segundo maior mercado automotivo do mundo com modelos de maior porte. Os planos se mantêm inalterados, apesar da crise causada pelo Coronavírus.

A Peugeot ainda está enfrentando problemas para decidir como será sua atuação nos EUA. A marca pode abrir concessionárias normalmente como outras marcas ou lojas no estilo franquia de shopping como faz a Tesla, focando toda comercialização de seus carros em ambiente online.

Larry Dominique, presidente da divisão norte-americana da PSA, afirmou ao The Detroit Bureau que os consumidores querem algo mais simples na hora de comprar seu carro, por isso o processo on-line tem se mostrado mais promissor para a Peugeot.

Ainda não foram divulgados quais serão os modelos da Peugeot a serem oferecidos nos EUA e Canadá. As maiores apostas recaem sobre os modelos de maior porte da marca, como o sedã 508 e os SUVs médios 3008 e 5008. Pode ser também que o 208 em versão elétrica ganhe passaporte americano em breve.

A Peugeot não produzirá carros na América do Norte, aproveitando de suas plantas na Europa, China e América do Sul para fornecer carros para esse mercado ainda não explorado por marcas francesas. O último Peugeot vendido nos EUA foi o sedã médio 405 em 1992.

Veja mais:

>> Avaliação: Mini Clubman JCW não é o tipo tradicional de perua, ainda bem

>> Sonet é o SUV da Kia do tamanho de um Hyundai HB20

>> Fiat desenvolverá próximos compactos com plataforma Peugeot

Sobre o autor

João Brigato

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar