Destaque Novidades Racing

Sabia que os carros de F-1 podem dar choque?

Não bastassem os perigos naturais da profissão, os pilotos ainda encaram o risco de choque elétrico, que pode chegar a 1000 volts; entenda
(divulgação)

Nem todo mundo sabe, mas os carros de Fórmula 1 hoje utilizam motores híbridos, juntando a tecnologia do reaproveitamento de energia (via motores elétricos) ao motor de combustão.

Funciona assim: 1) as freadas e o movimento da turbina geram energia cinética; 2) essa energia é captada por dispositivos específicos e transformada em energia elétrica; e 3) essa energia é finalmente distribuída para diferentes áreas do carro.

(divulgação)

Este é o trabalho do MGU-K e do MGU-H, os dois motores elétricos que formam a ‘unidade de potência’, novo nome do conjunto de motores de um Fórmula 1. Os objetivos são ganhar ainda mais potência (via recuperação de energia), economizar combustível e evitar o chamado ‘turbo lag’, um atraso na resposta do motor.

O efeito colateral disso tudo é que, quando está em movimento, o carro fica extremamente ‘energizado’ por esse processo todo.

Como tudo na Fórmula 1, esse esquema é muito bem feito e seria necessária uma falha muito grave para que a energia destinada ao motor e à turbina tomasse conta do carro, oferecendo risco de choque ao piloto ou a quem tocar nele. É raro, mas pode acontecer. E por isso os cuidados da F-1 moderna são redobrados.

Existe uma luz indicativa no carro, que mostra se ele pode ou não ser tocado sem a devida proteção. Se essa luz estiver verde, tudo ok, manda ver. Mas se estiver vermelha, deu ruim. O choque em algum desavisado – inclusive o piloto – pode chegar a 1000 volts.

(divulgação)

Para se ter uma ideia, este número é o limite antes que a faixa de tensão elétrica seja considerada de ‘alta tensão’, como nos fios mais altos dos postes de rua, por exemplo.

“Se houver um acidente na pista e a luz vermelha do carro estiver acesa, os socorristas precisam ‘desenergizar’ o carro antes de atender ao piloto. Pra isso, eles precisam de luvas e roupas especiais, resistentes à descarga elétrica. Aí, eles vão girar a chave geral do carro e desligar essa corrente elétrica”, explica Dino Altmann, diretor médico do GP do Brasil de F-1.

Mas onde fica essa chave?

Bom, sinta o drama: ela está posicionada em lugares diferentes de acordo com cada carro. A equipe médica recebe fotos do cockpit de todos os carros e procura memorizar e estabelecer uma ‘cola’, caso precisem realizar o procedimento (que como já foi dito, é considerado raríssimo). Ou seja: os socorristas também precisam de muita habilidade e sangue frio na F-1.

Veja mais:

>> As 7 vidas que Alonso já gastou na Fórmula 1

>> Stock Car concentra ex-pilotos de Fórmula 1

>> Mercedes-AMG Project One: um Fórmula 1 para as ruas

Sobre o autor

Tiago Mendonça

Tiago Mendonça

Comente

Clique aqui para comentar

Encontre peças e acessórios





Vídeo

Triumph T120 Black: uma clássica Bonneville com pegada agressiva

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.

Instagram

Jocar