Destaque Novidades Racing

Sabia que os carros de F-1 podem dar choque?

Não bastassem os perigos naturais da profissão, os pilotos ainda encaram o risco de choque elétrico, que pode chegar a 1000 volts; entenda
(divulgação)

Nem todo mundo sabe, mas os carros de Fórmula 1 hoje utilizam motores híbridos, juntando a tecnologia do reaproveitamento de energia (via motores elétricos) ao motor de combustão.

Funciona assim: 1) as freadas e o movimento da turbina geram energia cinética; 2) essa energia é captada por dispositivos específicos e transformada em energia elétrica; e 3) essa energia é finalmente distribuída para diferentes áreas do carro.

(divulgação)

Este é o trabalho do MGU-K e do MGU-H, os dois motores elétricos que formam a ‘unidade de potência’, novo nome do conjunto de motores de um Fórmula 1. Os objetivos são ganhar ainda mais potência (via recuperação de energia), economizar combustível e evitar o chamado ‘turbo lag’, um atraso na resposta do motor.

O efeito colateral disso tudo é que, quando está em movimento, o carro fica extremamente ‘energizado’ por esse processo todo.

Como tudo na Fórmula 1, esse esquema é muito bem feito e seria necessária uma falha muito grave para que a energia destinada ao motor e à turbina tomasse conta do carro, oferecendo risco de choque ao piloto ou a quem tocar nele. É raro, mas pode acontecer. E por isso os cuidados da F-1 moderna são redobrados.

Existe uma luz indicativa no carro, que mostra se ele pode ou não ser tocado sem a devida proteção. Se essa luz estiver verde, tudo ok, manda ver. Mas se estiver vermelha, deu ruim. O choque em algum desavisado – inclusive o piloto – pode chegar a 1000 volts.

(divulgação)

Para se ter uma ideia, este número é o limite antes que a faixa de tensão elétrica seja considerada de ‘alta tensão’, como nos fios mais altos dos postes de rua, por exemplo.

“Se houver um acidente na pista e a luz vermelha do carro estiver acesa, os socorristas precisam ‘desenergizar’ o carro antes de atender ao piloto. Pra isso, eles precisam de luvas e roupas especiais, resistentes à descarga elétrica. Aí, eles vão girar a chave geral do carro e desligar essa corrente elétrica”, explica Dino Altmann, diretor médico do GP do Brasil de F-1.

Mas onde fica essa chave?

Bom, sinta o drama: ela está posicionada em lugares diferentes de acordo com cada carro. A equipe médica recebe fotos do cockpit de todos os carros e procura memorizar e estabelecer uma ‘cola’, caso precisem realizar o procedimento (que como já foi dito, é considerado raríssimo). Ou seja: os socorristas também precisam de muita habilidade e sangue frio na F-1.

Veja mais:

>> As 7 vidas que Alonso já gastou na Fórmula 1

>> Stock Car concentra ex-pilotos de Fórmula 1

>> Mercedes-AMG Project One: um Fórmula 1 para as ruas

Sobre o autor

Tiago Mendonça

Tiago Mendonça

Comente

Clique aqui para comentar

Encontre peças e acessórios





Vídeo

Triumph T120 Black: uma clássica Bonneville com pegada agressiva