Mercado Novidades

SP reduz ICMS para carros elétricos e usados, mas não há economia real

Imposto em São Paulo é mais alto que em outros estados e agora se iguala somente em carros 0km no caso de híbridos e elétricos
Renault Zoe Intense 2022 [Auto+ / João Brigato]
Renault Zoe Intense 2022 [Auto+ / João Brigato]

Depois de subir o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em São Paulo, o governador João Dória anunciou redução parcial do imposto para alguns setores. Entre eles estão os carros elétricos que voltarão a pagar a mesma alíquota que o restante do país. Além disso, usados com qualquer tipo de combustível também terão ICMS reduzido.

O anúncio para 2022 revela que os carros elétricos terão imposto reduzido de 18% para 14,5% – ou seja, a mesma alíquota que todos os tipos de automóveis pagam no Brasil, independentemente do combustível usado. A medida, vale lembrar, não vale para carros híbridos como os irmãos Toyota Corolla e Corolla Cross.

Carros usados também terão redução de ICMS, passando dos atuais 3,9% para 1,8%. Essa mudança foi bastante pedida pelo setor que reclamava da alta expressiva nos impostos, o que elevou o preço dos modelos usados exponencialmente. Isso porque os preços já tinham subido junto do crescimento natural dos valores da tabela Fipe puxado pelos modelos 0km.

Peugeot e-208 GT [divulgação]
Peugeot e-208 GT [divulgação]
Dados divulgados pelo governo paulista revelam que haverá uma desoneração de R$ 3 bilhões em impostos para o estado de São Paulo com a redução das tarifas. Além de carros elétricos e usados, haverá redução de IMCS para medicamentos (de 18% para zero), eletroeletrônicos (de 13,3% para 2,65%), sucos naturais (de 13,3% para 3%), aumentos e bebidas (de 3,69% para 3,2%) e produtos de biodiesel (de 13,3% para 3,33%).

>>Cinco estranhas versões alternativas de carros brasileiros na China

>>Cinco vezes que as marcas tiveram preguiça de desenvolver seus carros

>>Renault Zoe evolui tanto que parece outro carro | Impressões

Sobre o autor

João Brigato

Um comentário

Clique aqui para comentar