Curiosidades Destaque

Sandero, Uno, Corsa e outros carros que adotaram o nome de uma versão

Vez ou outra, algumas versões se tornam tão fortes dentro da gama de alguns carros que passam a ser o nome oficial deles
Fiat Mille [divulgação]
Fiat Mille [divulgação]

Alguns carros são praticamente definidos por seus nomes. Daquelas que são tão (ou mais) lembrados que suas próprias marcas. Só que as vezes essa força vem é da versão. E ela é tão grande que elas atropela o nome original e se torna independentes, como é o caso de Fiat Uno, Renault Sandero, Chevrolet Corsa, Toyota Celica e Chevrolet Onix.

Em alguns casos como os presentes nessa lista, a versão simplesmente substituiu o nome original do carro e tudo continuou como antes. Já em outros casos, o antigo nível de acabamento se tornou tão importante que foi separado em um carro completamente diferente.

Fiat Uno / Mille 

Nascido como Fiat Uno Mille, a versão de entrada do hatch compacto foi a pioneira entre os modelos com motor 1.0 e lista de equipamentos extremamente enxuta. Aos poucos a Fiat foi dando mais atenção para a versão barata do Uno, que se tornou a única do portfólio do modelo pouco depois da chegada do Palio. Isso fez com que o nome Uno caísse em desuso, até que ele passou a ser chamado só de Fiat Mille.

Fiat Mille [divulgação]
Fiat Mille [divulgação]
Morreu em 2013 com a série especial Grazie Mille, que nada mais significava que um Muito Obrigado traduzido do italiano. Apesar de ser Fiat Mille em seu documento e na traseira, grande parte do público ainda continuou a chama-lo de Uno Mille. Isso ficou evidente quando a segunda geração, somente chamada de Uno, estreou em 2010.

Renault Stepway

O Brasil é o único mercado no mundo em que a Renault separou o Stepway do Sandero. Apesar de ainda ser a variante aventureira do hatch compacto, a marca francesa tenta convencer que o Stepway é um SUV, não um Sandero aventureiro. Mesmo que, na prática, ele seja só um Sandero de salto alto, não um SUV.

Renault Stepway [divulgação] Sandero
Renault Stepway [divulgação]
A ideia de tornar  Stepway independente do Sandero se deu por conta da necessidade da Renault em criar versões para o modelo aventureiro. Assim, ele passou a ser comercializado com diferentes níveis de acabamento e maior abrangência de equipamentos e opções de transmissão. Isso foi bom pois tornou o Stepway mais abrangente que antes e sem a necessidade de ser o Sandero mais equipado de todos.

Chevrolet Classic

A história do Classic mostra o quanto uma versão específica pode ultrapassar todas as barreiras de um carro o qual essa variante faz parte. Quando a segunda geração do Corsa surgiu em 2002, a GM resolveu manter o sedã antigo em linha com o nome de Chevrolet Corsa Classic. Até ai tudo bem.

Chevrolet Classic [divulgação]
Chevrolet Classic [divulgação]
O sedã de entrada da marca perdeu o nome Corsa em 2005 e seguiu somente como Classic, nome que já vinha sendo chamado popularmente há um certo tempo. Mas o destino e as vendas fizeram com que aquele que deveria ter sido seu sucessor morresse em 2012. Já o Classic, seguiu firme e forte, sendo reestilizado depois para só se despedir em 2016 por culpa da lei.

Toyota Supra          

Celica e Supra são dois nomes de enorme respeito entre os entusiastas e pelos que gostam de esportivos japoneses clássicos. Mas sabia que eles já foram um carro só? Entre 1978 e 1985 o Celica Supra foi produzido como uma variante mais esportiva, alongada e com motor seis cilindros do Celica. Esportivo que, até então, usava somente motores menores.

Toyota Supra [divulgação]
Toyota Supra [divulgação]
Depois de duas gerações como Celica Supra (ou Celica XX no Japão), a Toyota finalmente cortou os laços entre os irmãos. Em 1986, a estreou a terceira geração do Supra, agora devidamente separado. Isso se deu por conta da mudança do Celica, que passou a ser um esportivo de tração dianteira, algo que não era aceitável para a potência e proposta esportiva do Supra.

Chevrolet Joy

Quando a Chevrolet reestilizou o Onix e o Prisma em 2017, resolveu substituir a antiga versão de entrada LS pela Joy. O Onix Joy e o Prisma Joy traziam lista de equipamentos enxuta e visual dos modelos não reestilizados. A estratégia se manteve até a chegada da segunda geração do em 2019, onde Onix e Joy foram devidamente separados.

Chevrolet Joy Plus [divulgação]
Chevrolet Joy Plus [divulgação]
Assim, a nova geração do Onix (e o Onix Plus) seguiu como mais sofisticada e cara. Isso abriu espaço para que os antigos Onix e Prisma se tornassem Joy e Joy Plus. Até mesmo os faróis com luzes de posição em LED foram herdados pelos modelos de entrada da GM no Brasil.

>>Dez carros esquecidos pelos brasileiros, mas que ainda são bons

>>Preço dos carros no Brasil é menor do que nos Estados Unidos

>>Os carros mais baratos do Brasil por categoria

Sobre o autor

João Brigato

8 Comentários

Clique aqui para comentar