Destaque Mercado

Volkswagen para de fabricar Polo, Virtus, Nivus e Saveiro no Brasil

Crise dos semicondutores afeta a Volkswagen novamente que suspende a produção de Polo, Virtus e Nivus no Brasil sem data para retomar
Volkswagen Nivus Highline [Auto+]
Volkswagen Nivus Highline [Auto+ / João Brigato]

A Volkswagen está vivendo um momento verdadeiramente delicado nos últimos meses. Priorizando a produção do T-Cross, que tem se firmado como SUV mais vendido do Brasil, a marca alemã teve de interromper a produção de Nivus, Polo, Virtus e Saveiro no Brasil. Os quatro são feitos em São Bernardo do Campo, que está com a linha de montagem parada.

Essa paralisação temporária não tem data para ser encerrada, mas hoje (20 de abril) será o último dia com a linha de montagem ativa antes da suspensão. A pausa nas atividades coincide com o feriado prolongado de Tiradentes que começa nesta quinta-feira (21). Cerca de 2 mil funcionários ficarão em casa por tempo indeterminado.

Não é de hoje que as atividades na fábrica de São Bernardo andam lentas. A planta situada na beira da rodovia Anchieta produz carros de alto volume da Volkswagen, mas a crise dos semicondutores fez com que a marca tirasse o pé da fabricação deles.

Volkswagen Saveiro Cross [divulgação]
Volkswagen Saveiro Cross [divulgação]

Vendas em queda vertical

Como resultado, o Nivus desceu no ranking dos SUVs mais vendidos, enquanto a Saveiro só não se tornou a picape menos vendida do Brasil porque ainda conseguiu ficar à frente das RAM 1500 e 2500 e da Ford Maverick. O Virtus perdeu o protagonismo na categoria, onde vendia menos só que o Chevrolet Onix Plus e o Polo desapareceu.

Apenas para efeito de comparação, entre janeiro e março de 2022, o Volkswagen Polo emplacou 1.050 unidades. Já o mesmo período do ano passado, mesmo com pandemia forte e crise dos semicondutores, o hatch compacto teve 8.091 unidades vendidas segundo a Fenabrave.

Volkswagen Polo [divulgação]
Nos três primeiros meses de 2021, o Virtus era o terceiro sedã compacto mais vendido do Brasil com 6.669 unidades acumuladas. Considerando o mesmo período nesse ano, foram apenas 1.347 unidades. Já a Saveiro despencou de 7.929 unidades para 1.528 unidades.

Como os SUVs dão mais lucro, dentre os quatro modelos produzidos em São Bernardo, a Volkswagen priorizou o Nivus. O SUV cupê teve 7.015 unidades vendidas no primeiro trimestre de 2022 contra 10.865 do mesmo período em 2021. Com a fábrica parada, os números tendem a ficar mais fracos. Especialmente para Polo e Virtus que em breve serão reestilizados.

Volkswagen Virtus Highline [divulgação]
Volkswagen Virtus Highline [divulgação]

>>VW retoma produção de Gol e Voyage antes da aposentadoria final

>>Nivus gigante? Volkswagen Teramont X ganha mudanças

>>Exclusivo: Volkswagen T-Cross 2023 reestilizado terá apenas três versões

Sobre o autor

João Brigato

7 Comentários

Clique aqui para comentar

  • A VW também tá de brincadeira com o brasileiro, vc pega o forro de porta do gol G5 e do gol G6 2016 são a mesma coisa, zero novidade, zero modernidade, qualidade dos acabamentos quase pré históricos.

  • O problema não é o carro e sim o preço , é lógico que a venda tira despencar , estão pedindo o dobro doque realmente vale , polo tá quase no valor do corola onde se viu , vai afundar o barcos mesmo se continuar assim .

  • Resumindo, se você comprou e pagou o valor alto desses veículos, agora é hora de voltar na concessionaria e devolver, porque o valor vai cair vertiginosamente. É uma baita sacanagem, fazerem isso com o povo. Lançar vender e em 2 anos parar a fabricação sabendo que o veículo desvaloriza demais.

    • Claro que não amigo, foi um interrupção temporária da fabricação por falta de peças. Pode ter certeza que o preço vai é subir porque o povo não consegue esperar para ter o veículo, então os usados sobem e os novos também

  • O dilema da VW é certamente bem maior que meros semicondutores. A política de preço aliada a centros de custos esbanjadores vai aniquilar a BW no Brasil. Enquanto trabalhava na fábrica em 2001 em uma grande reunião nos foi perguntado o que precisaria para que a marca deixasse a liderança. Era uma mera alusão ao poderio da mesma, não era pra ninguém responder e eu respondi:
    1. Ser líder
    2. Tratar os clientes como se eles precisassem da VW e não o contrário.

    Fui demitido na segunda feira seguinte e já em 2002 a Fiat assumia a liderança que durou quase 2 décadas

  • Que semicondutores são esses? Onde são produzidos? Porque estão faltando? O que aconteceu para essa falta? Não existe um plano “B”? Que bagunça é essa?