Destaque Novidades

Xiaomi investirá R$ 8,74 bilhões para produzir carro elétrico

Enquanto a entrada da Apple no mundo dos carros ainda é especulação, Xiaomi já anunciou que terá sim um elétrico
Xiaomi [divulgação]
Xiaomi [divulgação]

Cada vez mais gigante, a Xiaomi anunciou que dará um passo em direção ao futuro que a Apple também parece traçar. Enquanto a marca da maçã é alvo apenas de especulação quanto a sua entrada no mundo dos automóveis, a chinesa Xiaomi anunciou investimentos bilionários para fazer seu carro elétrico.

Inicialmente serão aplicados R$ 8,74 bilhões para iniciar o desenvolvimento do carro elétrico da Xiaomi. Nos próximos dez anos, no entanto, o montante chegará a R$ 57,4 bilhões. Segundo a Xiaomi, a intenção é “oferecer veículos elétricos de qualidade que deixarão qualquer pessoa no mundo aproveitar uma vida inteligente”.

Rumores apontam para uma parceria entre Xiaomi e Great Wall para a produção do carro elétrico. Vale lembrar que a marca chinesa é uma das maiores do mercado e também uma das que mais exporta veículos para fora da China. É também dona das marcas Haval, que produz SUVs, da Wey, que faz SUVs de luxo, e da Ora, especializada em carros elétricos.

Ora Haomao [divulgação]
Ora Haomao [divulgação]
Ainda não se sabe quando o primeiro carro elétrico da Xiaomi será lançado na China e nem qual será seu formato. As apostas maiores recaem sobre um SUV, já que essa é a moda do momento. Em virtude da estratégia de baixo custo da Xiaomi com seus produtos, é possível que seja um carro elétrico voltado a grandes volumes de produção.

Enquanto isso, a Apple segue negociando com montadoras internacionais para viabilizar a produção de um carro elétrico próprio. Há ainda a gigante chinesa das buscas, a Baidu, que entrou em acordo com a Geely me janeiro para a fabricar um carro elétrico. A Huawei também poderá entrar no jogo com uma parceria com a Changan.

>>Hyundai e Kia teriam desistido de fazer carro da Apple

>>iPhone 12: carros que custam o mesmo que o smartphone da Apple

>>Honda e elétrico chega ao Brasil por R$ 299 mil, mas não oficialmente

Sobre o autor

João Brigato

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar