Avaliação Destaque

Hyundai HB20X agrada bastante, mas não faz o menor sentido | Avaliação

Por que pagar R$ 4 mil a mais pelo Hyundai HB20X Diamond Plus quando a versão hatch tem motor turbo e os mesmos itens?
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]

No início dos anos 2000, por culpa da Palio Weekend e do CrossFox, os aventureiros eram moda. Mas hoje em dia são os SUVs que dominam. Ainda assim, alguns aventureiros sobrevivem no mercado bravamente com seu público cativo, como é o caso do Hyundai HB20X.

Versão aventureira do HB20 recebeu grande destaque em seu lançamento, afinal, foi com roupagem lameira que o conceito SAGA foi apresentado. O modelo exposto no Salão do Automóvel de 2018 antecipava a segunda geração do compacto da Hyundai e teve praticamente 90% de seu design transplantado para o HB20X.

Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Depois de avaliar a versão Diamond Plus de R$ 80.790 do HB20 hatch, convocamos o mais caro da turma, o HB20X Diamond Plus de R$ 84.690. Mas faz sentido pagar quase R$ 4 mil a mais por ele?

Cadê o turbo?

Já dá para adiantar de cara que não. E por um fator muito simples: mecanicamente o HB20X é inferior ao HB20 normal. Enquanto a versão civil traz motor 1.0 T-GDi três cilindros turbo com 120 cv e 17,5 kgfm de torque, o X vem somente com motor 1.6 de 130 cv e 16,5 kgfm de torque.

Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Nos números pode até não parecer tanta diferença, mas a grande diferença está no consumo. O 1.6 do HB20 é gastão. Durante nossos testes com etanol ele dificilmente ficou acima de 10 km/l em ciclo misto com etanol. Na estrada chegou a registrar nada animadores 11 km/l para um hatch compacto.

Tente explicar a lógica da Hyundai em não ter colocado motor turbo no HB20X e deixado somente o 1.6 aspirado. Pois aqui no Auto+ não conseguimos. Ainda assim, o motor que ele usa está muito longe de ser ruim.

Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
O HB20X é esperto, tem respostas rápidas e o motor entrega bom toque mesmo em baixa rotação. Já a comunicação entre a transmissão automática de seis marchas e o 1.6 parece melhor que o trabalho feito no turbo. O hatch não troca de marchas atoa e ainda tem uma interessante função de desacoplamento da transmissão para baixar rotação na estrada.

As trocas são suaves e imperceptíveis, sem vacilos como acontece com o Chevrolet Onix, por exemplo. Faz falta somente no painel um indicador de qual marcha o HB20 se encontra, mas pelo menos há opção de trocas manuais pela alavanca.

Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]

X tudo

Um dos grandes diferenciais do HB20X em relação aos irmãos está na suspensão elevada e nos pneus de uso misto. Com isso ele absorve melhor os impactos causados pelas crateras no asfalto das ruas brasileiras.

Por ser mais alto, ele é mais suscetível a ventos laterais na estrada, mas nada que o desestabilize ou tire da trajetória. O que ajuda é a direção elétrica com assistência na medida para velocidades mais altas e também para o conforto na cidade.

Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Destaque nessa versão Diamond Plus, a topo de linha do HB20X, para a presença de frenagem autônoma de emergência, alerta de mudança de faixa (apenas sonoro, sem correção de volante) e controle de tração e estabilidade. Entre os aventureiros, somente ele tem os dois primeiros itens.

O hatch ainda conta com quatro airbags, chave presencial, vidros elétricos nas quatro portas com função um toque, volante com regulagem de altura e profundidade, bancos revestidos de imitação de couro, faróis com projetores, acendimento automático e luz de posição de LED (não há DRL), retrovisores elétricos, sensor de ré e câmera de ré.

Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
É uma lista de equipamentos bem recheada pelo preço e categoria onde o HB20X se encontra.

Visual de conceito

Enquanto o Hyundai HB20 normal é polêmico por seu visual, o X consegue diluir boa parte dos elementos que não agradaram no hatch. Parece que a marca sul-coreana pensou todo o visual para o aventureiro, deixando claro em alguns detalhes como as rodas diamantadas que possuem um belo desenho e têm o tamanho correto para o carro.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]
Os para-lamas bojudos contam com falsa entrada de ar na dianteira e um corte na traseira que mostram um trabalho da marca nos detalhes. Diferentemente de outros rivais que apenas colocam uma moldura paralela à caixa de roda.

A grade frontal com borda cromada resistiu somente nessa versão e combina com a estética do carro, sem que fique tão parecido com um bagre, como a segunda geração maldosamente foi apelidada. Esteticamente o conjunto agrada mais e foi alvo até de elogios nas ruas.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]

Jovialidade sem marrom

Um dos pontos mais interessantes do Hyundai HB20X Diamond Plus em relação à mesma versão em roupagem não aventureira é a cor do interior. O HB20 normal tem uma cafona combinação de marrom com azul metálico, enquanto o aventureiro traz preto com detalhes em vermelho.

É uma alternativa mais jovial e até esportiva, parecendo bastante condizente com o HB20 Sport, por exemplo. Há costuras vermelhas no banco e o tom repetido nas saídas de ar. Ajuda a dar um ar mais sofisticado à cabine e não enjoa como o marrom do HB20 normal. A exceção é a chave que adotou inexplicavelmente o tom marrom.

A cabine não é das mais espaçosas para quem se senta atrás, faltando espaço para as pernas e para a cabeça. Isso se dá pelo fato de o HB20 ser um dos menores hatches do mercado nacional. Já o porta-malas de 300 litros é suficiente ao que se propõe.

Há de destacar o uso de plásticos de qualidade, bem montados e sem rebarbas. A Hyundai havia subido o sarrafo da categoria com a primeira geração do HB20 e manteve o padrão de qualidade na segunda geração. Há até parte macia nas portas onde o braço fica apoiado.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]
A marca também trouxe uma boa central multimídia que conta com Android Auto e Apple CarPlay, ambos conectados por fio. A tela tem definição suficiente, mas carece de brilho em dias bem ensolarados. Não é tão rápida quando a do Onix e a do Polo, mas é suficiente para não passar nervoso.

Há, no entanto, dois pontos controversos do Hyundai HB20X. O painel de instrumentos é idêntico ao do Chevrolet Joy (vulgo antigo Onix) e carece de recursos no computador de bordo, que é controlado por um pininho nada prático diretamente no painel.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]
Ele traz também ar-condicionado digital fake. Parece digital, mas é apenas um modelo analógico com uma telinha redundante e sem controle de temperatura por graus ou ventilação automática. Seria melhor ter deixado o sistema antigo que era de fato digital.

Veredicto

Custar R$ 84.690 e não ter motor turbo é o maior pecado do Hyundai HB20X Diamond Plus, pois o hatch sem roupagem aventureira é mais barato e traz motor mais moderno. Se não fosse por esse detalhe, ou se o X tivesse motor T-GDi, sua compra seria muito mais justificável.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]
Ele é um carro competente, com um bom conjunto mecânico, lista de equipamentos recheada e o visual mais agradável da família HB20. Pena somente um deslize tão inexplicável fazer com que ele não faça o menor sentido dentro da linha.

E as coisas ficam ainda mais feias quando o mercado prepara SUVs subcompactos pelo mesmo preço do aventureiro HB20X. A própria Hyundai já possui um, sem chama Venue e poderia fácil tomar o lugar dele.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]

>>Hyundai HB20 Sense é bom, barato, só não é bonito – Avaliação

>>Creta Prestige é competente, mas rugas apareceram – Avaliação

>>HB20 Diamond Plus 2021 vende bem porque é bom – Avaliação

Sobre o autor

João Brigato

5 Comentários

Clique aqui para comentar

  • Opiniões são diferentes, mas ainda prefiro o bom motor 1.6 ante ao turbo. Eu tenho um rspec 1.6 2019 e já dirigi o turbo, prefiro o 1.6.

  • A diferença fundamental do X para o “civil”, no meu ponto de vista, são as longarinas no teto, pois essa peça só tem nas SUVs, com poucas opções em carros. Fundamental para quem quer transportar bicicleta, pois colocar rack em carro normal detona o teto.
    Mas se o motor é o mesmo prefiro o 2019 premium usado. Mais bonito e com ar digital de verdade.