Destaque Mercado

Chevrolet Onix, Onix Plus e Tracker ficam até R$4.540 mais caros em abril

Trio de compactos Onix , Onix Plus e Tracker sofrem aumento de preços pela Chevrolet em abril
Chevrolet Onix Plus Midnight [Auto+ / João Brigato]
Chevrolet Onix Plus Midnight [Auto+ / João Brigato]

Depois de perder o título de carro mais vendido do Brasil para a Fiat Strada, o Chevrolet Onix encareceu em abril. De lambuja, seus irmãos Onix Plus e Tracker também tiveram incremento de preços. Os aumentos variam de R$ 2.580 a R$ 4.540.

Vale ressaltar que o Chevrolet Onix e o Onix Plus tiveram produção momentaneamente paralisada por falta de componentes. Ambos são feitos em Gravataí, Rio Grande do Sul. Já o Tracker, feito em São Caetano do Sul, São Paulo, se manteve inalterada.

Onix

Com aumentos em todas as versões, sem exceção, o Chevrolet Onix agora parte de R$ 64.520 na versão 1.0 sem nome. Ela está R$ 2.370 mais cara que antes. Já a LT 1.0 aspirada subiu R$ 2.570 e sai por R$ 66.640. Na Turbo sem nome de R$ 68.390, o hatch ainda se mantém na faixa PCD, apesar de custar R$ 3.000 a mais que antes.

Chevrolet Onix RS [Auto+ / João Brigato]
Chevrolet Onix RS [Auto+ / João Brigato]
Subindo para a versão LT, o Onix sofreu aumento de R$ 2.650 com câmbio manual (R$ 72.340) e R$ 2.860 com transmissão automática (R$ 78.180). No caso da versão LTZ com motor turbo, o modelo manual encareceu R$ 2.780, chegando a R$ 75.960. Já o automático foi a R$ 81.780 mediante aumento de R$ 3.000.

Por fim, as versões RS (R$ 82.760) e Premier (R$ 86.890) encareceram, respectivamente, R$ 3.000 e R$ 3.190.

Preços e versões Chevrolet Onix

1.0 sem nome – R$ 64.520
LT 1.0 – R$ 66.640
Turbo sem nome AT – R$ 68.390
LT Turbo – R$ 72.340
LT Turbo AT – R$ 72.340
LTZ Turbo – R$ 75.960
LTZ Turbo AT – R$ 81.780
RS Turbo AT – R$ 82.760
Premier Turbo AT – R$ 86.890

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]

Onix Plus

Seguindo os aumentos do Onix, o sedã Onix Plus só não encareceu na versão Turbo sem nome. Por R$ 68.390 ela se mantém no mesmo preço do hatch e ainda está na faixa de modelos elegíveis aos descontos para PCD. Por outro lado, o sedã LT 1.0 encareceu R$ 2.580 e agora parte de R$ 70.230, ficando mais caro que o modelo turbo automático.

Subindo para a versão LT Turbo, ela está R$ 2.830 mais cara com câmbio manual (R$ 77.330), enquanto com câmbio automático (R$ 83.270) o aumento foi de R$ 3.050. Já na LTZ turbo, a Chevrolet acrescentou R$ 2.970 no modelo manual (R$ 81.050) e R$ 3.180 no automático (R$ 86.870).

Chevrolet Onix Plus Midnight [Auto+ / João Brigato]
Chevrolet Onix Plus Midnight [Auto+ / João Brigato]
No topo da gama do Onix Plus, as versões Midnight (R$ 90.430) e Premier (R$ 91.440) ultrapassaram a barreira dos R$ 90 mil. As versões ficaram mais caras em R$ 3.350.

Preços e versões Chevrolet Onix Plus

LT 1.0 – R$ 70.230
Turbo sem nome AT – R$ 68.390
LT Turbo – R$ 77.330
LT Turbo AT – R$ 83.270
LTZ Turbo – R$ 81.050
LTZ Turbo AT – R$ 86.870
Midnight Turbo AT – R$ 90.430
Premier Turbo AT – R$ 91.440

Chevrolet Tracker LT [Auto+]
Chevrolet Tracker LT [Auto+]

Tracker

Um dos SUVs mais vendidos do Brasil ficou mais caro. O Chevrolet Tracker teve aumentos de preços em todas as versões, seguindo Onix e Onix Plus. O SUV agora parte de R$ 98.120 na versão turbo sem nome. É a única abaixo dos R$ 100 mil, mesmo depois de ter encarecido R$ 3.320.

Na versão LT, o Tracker está R$ 3.640 mais caro que antes. É a versão mais barata com câmbio automático, mesmo custando R$ 107.480. Na LTZ de R$ 116.590 o aumento foi de R$ 3.940. Por fim, as versões Premier 1.0 (R$ 125.300) e Premier 1.2 (R$ 134.030) foram as mais afetadas com aumentos: R$ 4.230 e R$ 4.540, respectivamente.

Preços e versões Chevrolet Tracker

Turbo sem nome – R$ 92.120
LT AT – R$ 107.480
LTZ AT – R$ 116.590
Premier 1.0 AT – R$ 125.300
Premier 1.2 AT – R$ 134.030

>>Chevrolet Onix RS mira esportividade, acerta no conforto – Avaliação

>>Onix Plus Midnight: sem erro como uma camiseta preta – Avaliação

>>Avaliação: Chevrolet Tracker LT é um belo sorvete de creme Haagen-Dazs

Sobre o autor

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar