Curiosidades Destaque

10 carros chamados Toyota Corolla que não são um Corolla de verdade

O nome Toyota Corolla já estampou a traseira de muito mais modelos do que o sedã médio que conhecemos no Brasil
Toyota Levin [divulgação]
Compartilhar

Entre os nomes mais icônicos da indústria automotiva mundial estão Volkswagen Fusca, Porsche 911, Fiat Uno e Toyota Corolla. E o modelo japonês é o que merece destaque nessa lista, afinal, ele é o carro mais vendido do mundo. Para isso, ele deu origem a diversos outros carros com o mesmo nome, mas que não são um Corolla de verdade.

Nessa lista, trazemos dez carros que usam o mesmo nome do sedã médio, mas que não são derivados diretos do modelo original. Vale ressaltar que dentro da família Corolla, ele teve versões sedã, cupê, perua e hatch.

Toyota Corolla Ceres [divulgação]
Toyota Corolla Ceres [divulgação]

Toyota Corolla Ceres

Na China é comum hoje ver dois carros sendo vendidos com nomes diferentes e com poucas modificações visuais. Porém, no Japão dos anos 1990, essa pratica também era corriqueira. Assim, entre 1992 e 1998 surgiu o Corolla Ceres. Ele nada mais era do que um Sprinter Marino levemente reestilizado.

Com visual típico dos anos 1990, ele tinha carroceria ovalada e diversos elementos redondos. Era equipado com motores 1.5 ou 1.6, com opção de câmbio automático de quatro marchas (o mesmo usado pelo Etios) ou manual de seis marchas.

Toyota Corolla Cross [divulgação]
Toyota Corolla Cross [divulgação]

Toyota Corolla Cross

Segundo SUV médio mais vendido do Brasil, o Corolla Cross é a versão utilitária do sedã médio. Mas, tecnicamente, não é um Corolla de fato. Ele traz a mesma plataforma do sedã e interior idêntico, mas é mais largo e alto que qualquer modelo da família.

Lançado primeiro na Tailândia e nas Filipinas, o SUV médio faz parte de uma forte ofensiva da Toyota em oferecer utilitários baseados em seus modelos de passeio. Nessa pegada também surgiu o Yaris Cross, que serve como intermediário entre o Raize e o C-HR. Já o Corolla Cross se posiciona entre o C-HR e o RAV4. Ele é o primeiro SUV da Toyota feito no Brasil.

Toyota Corolla II [divulgação]
Toyota Corolla II [divulgação]

Toyota Corolla II

Apesar de o nome sugerir ser um sucessor do modelo conhecido pelos brasileiros, o Toyota Corolla II na verdade era menor que o Corolla original. Posicionado na categoria de compactos, ele foi vendido entre 1982 e 2003 com diversos nomes ao redor do mundo. Teve carrocerias sedã, cupê, hatch e perua.

Além de Tercel e Corolla II, ele também foi chamado de Toyota Corsa, Sprinter Carib e Soluna. Globalmente substituído pelo Yaris. Isso vale para a variante que hoje é vendido no Brasil, quanto a europeia/japonesa/americana que é mais refinada e menor.

Toyota Corolla Rumion [divulgação]
Toyota Corolla Rumion [divulgação]

Toyota Corolla Rumion

Entre 2007 e 2015, a Toyota vendeu no Japão a segunda geração do Scion xB como se fosse parte da família Corolla. Com sobrenome Rumion, o modelo também era conhecido como Rukus na Austrália. Com pote de Kia Soul e carroceria bem quadrada, fez sucesso ao longo de sua carreira.

Em relação ao Scion xB, o Corolla Rumion tinha grade frontal diferenciada, para-choque menos esportivo e faróis levemente remodelados. Não tinha os motores mais potentes do xB, como o 2.4 quatro cilindros aspirado. Era reservado a ele apenas os 1.5 e 1.8 quatro cilindros aspirado. No Japão ele era vendido somente com câmbio CVT.

Toyota Corolla Verso [divulgação]
Toyota Corolla Verso [divulgação]

Toyota Corolla Verso

Não, essa não é uma piada com o universo do Toyota Corolla. O sobrenome Verso foi usado pela Toyota entre o final dos anos 1990 e início dos anos 2000 para todas as minivans derivadas de seus modelos de passeio. A estratégia era a mesma de hoje com os SUVs com sobrenome Cross. Ironicamente a marca também tinha a Yaris Verso.

A minivan teve apenas duas gerações. A primeira surgiu em 2001 e durou até 2004, sendo um modelo global oferecido na Europa e outros países da Ásia. Já a última geração foi de 2004 a 2009, sendo essa um dos monovolumes mais vendidos da Europa.

Toyota Corolla Spacio [divulgação]

Toyota Corolla Spacio

Antes mesmo do surgimento da Corolla Verso, o nome já era usado por uma minivan da Toyota. Em 1997 surgiu a Corolla Spacio. Desenvolvida exclusivamente para o Japão, ela também teve duas gerações, sendo a primeira mantida até 2001.

Quando a segunda geração surgiu em 2001, Verso e Spacio se tornaram um modelo só. Contudo, essa variante durou mais no Japão do que na Europa, sendo produzida localmente até 2007. O interior e portas laterais eram praticamente idênticos aos do sedã vendido no Brasil na época.

Toyota Corolla Matrix [divulgação]
Toyota Corolla Matrix [divulgação]

Toyota Corolla Matrix

Nascido em 2002 como Corolla Matrix, essa mistura de SUV e minivan com pegada esportiva surgiu de um projeto comum entre Toyota e General Motors. Vendido pela Pontiac como Vibe, ambos usavam plataforma do sedã médio e compartilhavam com ele as mesmas motorizações. O nome Corolla caiu em 2005, quando o modelo passou a ser vendido somente como Matrix.

Tanto a versão Toyota quanto a Pontiac tinham aparência mais de SUV na primeira geração, sendo o Vibe ainda mais parrudo que o Matrix por conta dos plásticos pretos. Na segunda geração, o Pontiac Vibe ganhou carroceria mais quadrada e o Matrix apostou em linhas mais aerodinâmicas. Como resultado, ambos pareciam hatches bombados.

Toyota Levin [divulgaão]
Toyota Levin [divulgaão]

Toyota Levin

Levin já foi o sobrenome de versões esportivas do Toyota Corolla no passado. Mas, desde 2014, é usado por uma versão alternativa do sedã médio vendido na China. A prática é comum por lá, onde cada sócia de uma marca vende sua própria versão de um modelo internacional.

O Levin foi o primeiro Corolla do mundo a ter uma versão 100% elétrica e também uma híbrida do tipo plug-in. Antes ele contava com visual próprio exclusivo da China, mas desde que mudou de geração no ano passado, passou a seguir as linhas desenhadas para a versão americana do Corolla.

Chevrolet Prizm [divulgação]
Chevrolet Prizm [divulgação]

Geo / Chevrolet Prizm

O nome pode até não denunciar, mas esse Toyota Corolla era vendido pela Chevrolet nos Estados Unidos. Pertencente à marca Geo da General Motors, a qual vendia carros asiáticos nos EUA como se fossem modelos locais, o Prizm migrou para a Chevrolet quando a Geo faliu.

Produzido em Fremont, Califórnia, entre 1990 e 1997 como Geo Prizm e depois de 1998 a 2002 como Chevrolet Prizm, o modelo nada mais era que um Corolla rebatizado e levemente remodelado. Foram três gerações ao todo, sendo ele substituído pelo Chevrolet Cobalt ao fim do acordo entre Toyota e GM.

Suzuki Swace [divulgação]

Suzuki Swace

Mais recente adição à lista, a perua da Suzuki nada mais é que uma Corolla FIelder / Touring Sports. Toyota e Suzuki estão vivendo um momento de trocas. A Toyota está expandindo sua linha de modelos na Índia com versões rebatizadas dos Suzuki Baleno e Vitara Breezza. Enquanto isso na Europa, a Suzuki lançou suas interpretações de RAV4 e perua Corolla.

Em relação ao modelo Toyota, a Suzuki Swace tem para-choque com desenho diferenciado, dotado de entradas de ar maiores e aberturas de ar laterais. O logotipo da Suzuki fica no capô, enquanto na versão Toyota ele fica no espaço entre os faróis. Na traseira e interior, tudo igual, à exceção do nome e dos logotipos.

>> Apenas 4 picapes vão ficar mais baratas com o corte de impostos dos carros

>> GWM confirma marca que faz o clone elétrico do Fusca no Brasil

>> BMW vai lançar sua nova scooter durante o Festival Interlagos 2023

Sobre o autor

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar

Vídeo

Triumph T120 Black: uma clássica Bonneville com pegada agressiva

Este site utiliza cookies e tecnologias semelhantes para personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao navegar em nosso serviço você aceita tal monitoramento. Para mais informações leia nossa
Este site utiliza cookies e tecnologias semelhantes para personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao navegar em nosso serviço você aceita tal monitoramento. Para mais informações leia nossa