Avaliação Destaque

Avaliação: Por que o Toyota Corolla vende tanto?

Passado um ano do lançamento da décima segunda geração do Toyota Corolla, chegou a hora de desvendar seus segredos
Toyota Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Toyota Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]

Não há quem tire o reinado do Toyota Corolla, quer seja onde for. Sedã médio preferido do Brasil com quase 50% do segmento e carro de passeio mais vendido do mundo, o Corolla é um verdadeiro sucesso por onde passa. Mas isso significa que ele é o melhor da categoria?

Comemorando um ano do lançamento da décima segunda geração do Toyota Corolla no Brasil, recrutamos a versão Altis Premium com motor 2.0 aspirado e câmbio CVT para desvendar seus segredos. A não escolha do híbrido se deu ao fato de que ele é o único da categoria com essa configuração, o que tornaria a comparação injusta com seus rivais, além disso, as versões Altis Hybrid e Altis Premium Hybrid somadas representam 25% das vendas do Corolla desde seu lançamento, menos do que a versão intermediária XEi com motor 2.0 tem sozinha.

Toyota Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Toyota Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Invejável constância

O Toyota Corolla sempre foi conhecido por não se destacar em nenhum ponto positivo e em nenhum negativo, se mantendo como bom em todos os quesitos para que não houvesse erro frente aos seus rivais. A atual geração mudou um pouco isso e passou a se destacar em alguns itens, contudo, a constância do Corolla é invejável.

Ele não tem grandes defeitos que desaconselhem a sua compra – aliás, o Toyota é um dos raros casos de carros que dá para comprar sem erro. Um dos pontos mais interessantes nessa geração é que pelos mesmos R$ 140.690 da versão Altis Premium 2.0 testada, dá para levar para casa o Altis Hybrid, que tem um pouco menos de equipamentos, mas é híbrido.

Toyota Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Toyota Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Para os que podem abrir mão de um bom consumo de combustível, porque o Corolla 2.0 é bem gastão (fez cerca de 8 km/l durante nossos testes com metade do percurso rodado em estrada), o modelo a combustão entrega mais. O 2.0 quatro cilindros aspirado vem com saudáveis 177 cv e 21,4 kgfm de torque.

Combinado ao excelente câmbio CVT com dez marchas simuladas, sendo a primeira física, o Toyota Corolla não faz sentir falta de um turbo como em outros rivais. Ele é esperto, ágil e responde bem a qualquer pisada mais forte do acelerador. O motor enche com rapidez sem ficar gritando atoa como outros modelos CVT.

Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
A transmissão sabe muito bem como trabalhar em altos regimes simulando as trocas de marcha e explorando a força do motor, dando a sensação de que o Corolla está ganhando velocidade com mais facilidade. Já em ambientes urbanos, depois da troca da primeira marcha para as polias infinitas, não há mais simulação, trancos ou intervenção sentida do câmbio.

Spa zen

Trabalhando com tranquilidade, o Toyota Corolla revela seu lado mais confortável, pacato e até zen. A suspensão é mais macia que a média do segmento, mostrando que, ao contrário da grande maioria dos modelos médios, que têm pegada mais esportiva, o Corolla preza justamente pelo oposto.

Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Os buracos são pouco sentidos e o Corolla se comporta bem em curvas, sem desgarrar fácil ou perder a compostura. A direção elétrica tem pouco feedback da estrada, filtrando totalmente as imperfeições do solo e revelando leveza em grande parte das situações, até na estrada.

Há também de ser elogiado o fato de que a Toyota não cedeu às pressões do segmento e não deixou o Corolla com pegada de cupê. Com linha dos vidros mais baixa e teto alto, o interior é arejado e tem ótima visibilidade, destacada pelos retrovisores instalados nas portas, o que ajudou a evitar um grande ponto cego.

Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Para ajudar nessa calmaria, o Toyota Corolla Altis Premium vem equipado com recursos de segurança ativa ainda raros na categoria: piloto automático adaptativo, assistente de manutenção em faixa com alerta sonoro e frenagem autônoma de emergência. Mas por R$ 140.690, é imperdoável não ter sensor de estacionamento nem traseiro nem dianteiro, já que a câmera de ré não tem a melhor das definições

Contraste de realidade

Um dos pontos em que a décima geração do Corolla é, sem dúvida, melhor que todas as anteriores é no interior. O acabamento é bem cuidado, com superfícies macias ao toque por toda porção frontal do painel e nas portas, incluindo nas portas traseiras onde as montadoras costumam rechear de plástico.

Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
É claro que, por se tratar de um carro de marca generalista, há plástico duro em várias partes da cabine do Corolla, contudo, eles são bem encaixados e de qualidade. Mas para que isso fosse possível, alguns sacrifícios precisaram ser feitos. O painel de instrumentos, por exemplo, tem visual datado, simples e com tela pequena deslocada para a direita. Parece de um carro mais barato.

A central multimídia, apesar de ser a melhor que a Toyota usa entre todos os seus carros, ainda é muito confusa de ser usada e tem definição ruim. Ela é cheia de menus e submenus embaralhados, fazendo com que você agradeça sempre o fato de ter Android Auto e Apple CarPlay conectados por fio. Ao menos os comandos físicos ao lado da tela ajudam na operação atrapalhada.

Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Por falar nisso, a Toyota reservou um nicho no painel especificamente para celulares, algo que muitas marcas não pensam. O ar-condicionado digital tem bom posicionamento e uso facilitado, evitando operações repetitivas e distrativas na central multimídia como fazem alguns de seus concorrentes.

Há plenitude de espaço para quem senta na dianteira, com diversos ajustes para o banco do motorista e volante. O passageiro ao lado senta mais alto do que o esperado, carecendo de algum tipo de regulagem. Já pessoas altas sentadas atrás sofrerão um pouco com espaço para a cabeça por conta do teto solar, mas é um ambiente confortável e bom para as pernas.

Veredicto

O Toyota Corolla é um caso bastante peculiar de carro. É como se estivesse em um relacionamento sério onde ele fosse o tipo de companheiro que faz tudo que você deseja, é compreensível, carinhoso, atencioso, fiel, estável, o tipo de modelo perfeito e que todos desejam ter.

Mas quando você olha para a garagem ao lado e vê seu vizinho em um relacionamento com outro sedã que é como uma pessoa mais aventureira, um pouco doida, que se arrisca, traz mais emoção para a relação, gera uma discussão ou briga de vez em quando, talvez você possa questionar se é isso mesmo que quer.

Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Corolla Altis Premium [Auto+ / João Brigato]
Em suma, se você quer um relacionamento estável sem qualquer tipo de dor de cabeça, o Toyota Corolla é seu companheiro perfeito. Agora, se um pouco de pimenta e emoção na relação, nem que seja só um pouquinho, faz mais o seu tipo, melhor olhar para outros sedãs médios pretendentes.

>>Peugeot ajudará Toyota para que o casamento com Fiat aconteça

>>Câmbio CVT do Toyota Corolla será usado pelos Fiat turbo no Brasil

>>Chevrolet Monza substituirá o Cruze na briga com Corolla e Civic

Sobre o autor

João Brigato

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar