Avaliação Destaque

Citroën C4 Cactus THP finge ser SUV e esconde ser esportivo | Avaliação

Último Citroën à venda no Brasil (até que o novo C3 surja), C4 Cactus THP esconde suas verdadeiras virtudes por trás da imagem de SUV
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]

Para muitas pessoas hoje, aparentar ter algo é mais importante do que ser. E alguns carros seguem isso à risca. Fingem ser algo que não são para atrair a um público maior, especialmente quando falamos de SUVs. E é assim com o Citroën C4 Cactus THP: finge ser um SUV, mas esconde de todos que é, na realidade, esportivo.

Não que ele deveria concorrer com o Porsche 911 ao invés de comprar briga com o Jeep Renegade. Pelo contrário: o Cactus tem virtudes que hoje quase todos os SUVs compactos ignoram. Qualidades essas que eram inerentes aos hatches médios, aposentados pela ascensão dos utilitários. Mas a versão Shine Pack THP de R$ 127.990 vale a troca?

Três letras da felicidade

Empatado em potência com o Honda HR-V Touring, mas com mais torque, o Citroën C4 Cactus THP pode se vangloriar de ser o SUV compacto mais potente do mercado – ainda que ele tenha que dividir o título com o primo Peugeot 2008.

Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
São 173 cv e 24,5 kgfm de torque entregues pelo já conhecido motor 1.6 THP quatro cilindro turbo. Esse motor está em seu estado da arte no Cactus, onde entrega boa performance e economia de combustível.

Durante nossos testes com gasolina, ele ficou em 12,6 km/l de media com trechos de cidade e estrada em igual proporção. A média não foi prejudicada nem com testes de performance, detalhados mais à frente.

Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Ele acelera sem medo, ganhando velocidade rápido com o motor sempre cheio. Segundo a Citroën, faz de 0 a 100 km/h em. 7,3 segundos. É instigante o barulho do motor na cabine e o leve assovio do turbo enchendo. Quem disse que um SUV precisa ser sem graça como muitos por aí?

Inteligência

Contribui para esse bom comportamento esportivo, mas também para o conforto, a transmissão automática de seis marchas. Ela tem trocas praticamente sem trancos, com funcionamento mais inteligente do que a dos rivais. O Cactus reduz marcha em declives assim que o freio é acionado levemente, isso com o objetivo de usar o freio motor. Outros carros fazem isso, mas não com tanta precisão.

Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Além disso, em uma retomada rápida, mantém a marcha mais baixa por mais alguns segundos como se o motorista continuasse em uma tocada mais esportiva. Ela se molda e muda o comportamento mais rápido que outras transmissões automáticas. Bem escalonada, permite manter rotação baixa na estrada para economizar combustível.

E como o motor tem torque farto, o câmbio não faz reduções desnecessárias de sexta para quinta marcha apenas para ganhar velocidade. Ele entende que o motor sozinho consegue ter froça suficiente em baixa rotação para andar mais rápido.

Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]

Potencial de hatch médio

Ainda que seja classificado como hatch médio na Europa, por aqui o Cactus calçou as botas de SUV. Com suspensão elevada, ele tende a rolar mais nas curvas e inclinar com mais afinco que um Cruze Sport6, por exemplo.

Ainda assim, o SUV mostra que os franceses ainda são bons de acerto de suspensão. O Cactus segura bem nas curvas e mostra bom comportamento. Seria ainda melhor se calçado com pneus menos cantarolantes que os Goodyear Efficient Grip que usa. Admito que uma suspensão mais durinha para curvas mais fortes seria bem-vinda.

Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Mas como a proposta do C4 Cactus THP não é a esportividade, esse acerto de suspensão se mostra eficiente. Trabalha em silêncio e absorve bem as imperfeições do asfalto. Mesmo em limite de curso, ela não dá batidas secas ou transmite muita vibração à cabine vinda do asfalto ruim.

Ainda que negue sua esportividade, o Cactus THP tem um ótimo acerto de direção. Ela é bem dura e firme a mais de 70 km/h, ideal para a estrada. Mas é leve como manteiga nas manobras – é o melhor acerto entre todos os SUVs compactos. De brinde, ainda a direção é direta e rápida nas respostas.

Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]

Inclusão de segurança

Como nessa categoria é importante sempre se destacar, o C4 Cactus THP na versão topo de linha Shine Pack entrega pacote completo de itens de série e alguns mimos tecnológicos. Destaque vai para o assistente de manutenção em faixa que emite alertas, mas não corrige o volante.

De série, o modelo traz ainda ar-condicionado digital, luzes diurnas de LED, faróis com acendimento automático, frenagem autônoma de emergência, sensor de chuva, câmera de ré, bancos revestidos em couro, chave presencial e retrovisores elétricos.

Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Mancada é ter câmera de ré (de qualidade um tanto quanto decepcionante), mas abdicar do sensor de ré. Nessa categoria alguns rivais possuem até sensor dianteiro, enquanto o Cactus THP não.

Espinhos

Um dos destaques do Citroën C4 Cactus na categoria é o acabamento interno. É servido por muitos plásticos duros, mas esses são de qualidade acima da média dos rivais. Há superfície macia ao toque somente nas versões mais caras, o que adiciona um toque a mais. O visual é contido, sem grandes ousadias como no exterior.

Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Citroën C4 Cactus THP [Auto+ / João Brigato]
Comparando a rivais como Nissan Kicks e Hyundai Creta, o interior do Cactus é mais acanhado em tamanho. Ele é um dos SUVs mais compactos do mercado, ficando mais próximo do Volkswagen Nivus nesse quesito. Quatro passageiros são seu limite, acima disso a coisa complica. Porta-malas de 320 litros é apenas suficiente para a categoria.

Há de destacar até o fato de ele ter teto baixo e linha de cintura alta como um hatch. O banco conta com uma boa modularidade de ajustes, o que faz com que seja possível dirigir bem baixo, como um hatch, ou nas alturas como um SUV.

Sem mudanças desde que foi lançado no Brasil, o C4 Cactus ainda agrada no visual. Ele tem as típicas e apreciadas esquisitices da Citroën, mas apresenta abordagem diferente no mercado de SUVs com tantos modelos iguais e confundíveis. Pena que a versão THP se resuma a cores tão sem graça: preto, prata, branco e cinza. Vermelho? Inexplicavelmente só nos aspirados.

Veredicto

O C4 Cactus é o único Citroën do Brasil atualmente e consegue honrar o legado da marca francesa com tranquilidade. A versão topo de linha Shine Pack THP tem preço um pouco mais salgado do que deveria nessa categoria, sendo mais caro que o Nissan Kicks Exclusive com Pack Tech que é mais equipado – ainda que o Cactus seja bem servido.

 [Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]
Contudo, entrega mais potência e torque que todos os rivais e uma condução verdadeiramente divertida – algo que não é nem um pouco prioridade na categoria. Tem visual exótico e diferente para se destacar nas ruas, além de um bom acabamento. Basta receber mais atenção do mercado, que às vezes finge que ele não existe, pois é verdadeiramente bom.

>>C4 Cactus agora é o único Citroën no Brasil: C3 e Aircross morreram

>>Citroën C4 registrado no Brasil: SUV cupê pode ficar acima do Cactus?

>>Peugeot 208 Active Pack tem o essencial, mas falta charme – Avaliação

Sobre o autor

João Brigato

Um comentário

Clique aqui para comentar

  • Acontece com o Cactus THP o que ocorreu com o Ecosport de 176 HP e 4×4. A Citroen não trabalha publicidade em cima do motor desenvolvido com a BMW e a Ford nunca alardeou vender um 4×4 com motor com tanta potência. São burrices que a gente não entende e por isso os pangarés mancos como Kicks, Renegade e Creta são os preferidos do público desinformado. Bem feito para montadoras e consumidores.

Vídeo

Triumph T120 Black: uma clássica Bonneville com pegada agressiva