Curiosidades Destaque

Carros que causaram polêmica quando foram lançados no Brasil

Povo brasileiro adora uma polêmica, especialmente quando envolve uma grande paixão nacional: os carros vendidos por aqui
Chevrolet Agile [divulgação] carros polêmica
Chevrolet Agile [divulgação]

Quando preço não é alvo de discussões, toda vez que um carro é lançado no Brasil, o povo coloca a boca no trombone. Apaixonado por carros, o brasileiro tende a esquentar discussões sempre que algum carro estreia país.

Esses debates movimentam as redes sociais, mas alguns carros vão além das discussões clássicas. Por isso, reunimos aqui cinco carros que causaram um grande burburinho entre consumidores e mídia em seus lançamentos. Além, é claro, dos motivos pelos quais eles fizeram tanto barulho assim.

Vale ressaltar que gerar polêmica não é algo necessariamente negativo. Na realidade tem relação com criar discussões e debates intermináveis sobre o tema.

Chevrolet Agile [divulgação] carros polêmica
Chevrolet Agile [divulgação]
Chevrolet Agile

O Agile foi um verdadeiro divisor de águas dentro da Chevrolet. Era o primeiro modelo totalmente desenvolvido sem um equivalente Opel. Além disso, foi o responsável por inaugurar a gravata dourada e a nova linguagem visual da Chevrolet no Brasil.

Mas o visual nada harmonioso, o acabamento aquém da média e a plataforma do Corsa de 1994 foram suficientes para causar. Tudo só piorou porque o substituto do Corsa foi antecipado pelo elegante SUV compacto conceito Gpix.

Chevrolet Agile [divulgação] carros polêmica
Chevrolet Agile [divulgação]
Apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo em 2008, era possível ver as linhas finais do Agile no utilitário. Porém em outra proporção. Nem mesmo a reestilização feita em 2014 salvou o Agile. Ao menos ele ajudou a pagar pelo desenvolvimento do Onix, Prisma, Cobalt e Spin.

Fiat Mobi Like 2021 [divulgação]
Fiat Mobi Like 2021 [divulgação]
Fiat Mobi

Com o Uno ganhando sofisticação e mais itens a cada reestilização, a Fiat abriu espaço no andar de baixo. Ela percebeu que ali caberia um hatch menor, mais barato e mais simples. Assim em 2016 a Fiat apresentou o Mobi. A ideia era para rivalizar com o Volkswagen up! e com o Chery QQ.

Usando plataforma encurtada do Uno, o Mobi foi alvo de polêmico por conta de seu visual. Com linhas carregadas, faróis grandes e tampa traseira de vidro, ele chocou em um primeiro momento.

Fiat Mobi Trekking [divulgação]
Fiat Mobi Trekking [divulgação]
Além disso, o porta-malas pequeno e espaço traseiro acanhado também não contaram pontos a favor. Ganhou o mercado pela robustez, preço baixo e hoje é comumente visto como modelo bom para trabalho. Dentro da categoria vende bem.

Toyota Etios [divulgação]
Toyota Etios [divulgação]
Toyota Etios

Acostumados a carros internacionais como Corolla e Hilux, os brasileiros se surpreenderam com o Toyota Etios. Projeto oriundo da Índia, ele foi lançado por aqui em 2012. Com visual um tanto quanto sem graça e interior simples, o Etios foi assunto por muito tempo.

Nas rodas de conversa automotivas muito se falou também do painel de instrumentos central, (maldosamente apelidado de Balança Filizola. A Toyota soube muito bem lidar com as críticas, fazendo pequenas melhorias no hatch e no sedã ano a ano.

Toyota Etios [divulgação]
Toyota Etios [divulgação]
O interior ganhou plásticos de mais qualidade e o volante foi trocado pelo do Corolla. Além disso, o painel de instrumentos virou digital igual ao do Prius. Já dirigibilidade, que sempre foi elogiada, foi apurada pouco antes da reestilização. Saiu de linha recentemente por culpa das vendas mais altas do Yaris.

Peugeot 208 Active Pack [Auto+ / João Brigato]
Peugeot 208 Active Pack [Auto+ / João Brigato]
Peugeot 208

Um dos lançamentos mais aguardados e antecipados de 2020 foi também o que mais deu pano para manga. O Peugeot 208 era esperado no Brasil com motor 1.2 três cilindros turbo, mas veio somente com o já conhecido 1.6 quatro cilindros aspirado. Ponto que, por si só, já causou discussão.

Mas ai veio o preço: R$ 94.990 na versão topo de linha Griffe, fazendo dele o segundo hatch compacto (excluindo importados) mais caro do Brasil. Perdia apenas para o Volkswagen Polo GTS. Mas todos os rivais encareceram na mesma proporção, o que tornou o 208 dentro da média de mercado.

Peugeot 208 [Auto + / João Brigato]
Peugeot 208 [Auto + / João Brigato]
Apesar disso, o Peugeot 208 sempre foi elogiado por seu estilo inconfundível e elegante. Além disso, entrega acabamento de nível europeu e equipamentos de categoria superior. Quem sabe o motor turbo da Fiat logo repousará sobre o cofre do compacto da Peugeot?

Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20X Diamond Plus [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20

O Hyundai HB20 foi de uma unanimidade a outra. A primeira geração do hatch compacto sempre foi elogiada por seu design harmonioso, esportivo e moderninho. Já a segunda geração foi alvo de críticas por seu estilo nada ortodoxo.

Lançado em setembro de 2019, o HB20 de segunda geração não conteve as polêmicas nem mesmo na versão sedã ou na aventureira X. Tecnicamente o Hyundai HB20 evoluiu muito de uma geração para a outra, mas mesmo assim não foi o suficiente para deixar alguns compradores descontentes.

Hyundai HB20 Sense [Auto+ / João Brigato]
Hyundai HB20 Sense [Auto+ / João Brigato]
A evolução desses carros da Hyundai é evidente especialmente por conta do motor turbo, mas o estilo polêmico freou os ânimos nos primeiros meses. Prova de que nem todo mundo gostou do visual é que a Hyundai mudou o acabamento da grade do HB20 com menos de um ano de mercado.

>>Hyundai HB20 Sense é bom, barato, só não é bonito – Avaliação

>>Comparativo: Peugeot 208 e VW Polo: tipo Europa ou engana-brasileiro?

>>Hyundai HB20X agrada bastante, mas não faz o menor sentido | Avaliação

Sobre o autor

João Brigato

João Brigato

Um comentário

Clique aqui para comentar

  • Um 208 com motor 1.0 Firefly Turbo GDI, com uns 135 cv e 22 kgfm no etanol estaria ótimo; abaixo dele, esse mesmo motor, mas com injeção eletrônica, com uns 120 cv e 19 kgfm no etanol (substituindo o flex-start) e na base, o 1.3 8V Firefly Flex, com 110 cv e 14,5 kgfm no etanol (só esse viria com câmbio manual de 6M).

    A partir do 1.0T MPFI sempre automático de 6M.

    Com essas mudanças (não necessariamente com esses dados de desempenho), ele teria mais variedade de 208 e baixaria o preço base dele e por consequência o tornaria um produto que poderia ser um forte concorrente contra Onix, Polo e cia. Tb poderia ter uma variante sedan para o 208 com os mesmos trem-de-força, já mirando no Onix plus, Virtus, Cronos e etc, afinal os compactos premium atualmente estão em alta junto com os SUV e picapes médias e médias-grande (esse último segmento, a Peugeot tb poderia pensar em entrar, pois o Toro é sucesso, a Duster Oroch será reformada, a VW terá sua represente, assim como a Chevrolet e até a Hyundai terá uma e a Ford já está para lançar a Maverick, que é a resposta da marca para o Toro).