Avaliação Destaque

Mercedes-Benz C 63 AMG S e a triste despedida do motor V8 – Avaliação

Mercedes-Benz não nega que é o fim de uma era: o C 63 AMG S não terá mais motor V8 e a atual geração se despede com uma carta
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]

Despedidas não são fáceis e cá estou eu em meu último ano, já sabendo o que me aguarda. É que minha mãe Mercedes-Benz anunciou que a nova geração de toda família Classe C terá somente motores quatro cilindros. E eu, C 63 AMG S com meu V8 biturbo serei o último desse legado. E essa é minha carta de despedida.

(Avaliamos o Mercedes-Benz C 63 AMG S, versão topo de linha do sedã mais vendido da marca alemã. Custando R$ 733.900, ele é o mais caro da família Classe C com carroceria sedã e será substituído em breve por um modelo com motor quatro cilindros híbrido. E é justamente ele que conta sua história).

Deixo um legado

Desde pequeno, minhas versões AMG sempre tiveram motor V8. Era um jeito que eu fazia para chamar mais atenção nas ruas que meu rival BMW M3. Hoje eu entrego 510 cv e 71,4 kgfm de torque na versão S, a mais forte de todas. E dizem até que eu sou um pouco bruto.

Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Nas acelerações de 0 a 100 km/h eu juro que faço em 4 segundos, só que de um jeito divertido. Minhas rodas traseiras adoram dar uma derrapada antes da arrancada, enquanto o V8 biturbo borbulha em uma sonoridade que sei que deixa muita gente arrepiada. E também irrita alguns vizinhos de manhã quando sou ligado no Loud Mode, mas é por pura diversão.

Só não me responsabilizo pelos desatentos que vão colar nos bancos com a força da arrancada. Além disso, até eu me surpreendo com a facilidade com que ganho velocidade. Uma retomada rápida e já estou cutucando os 170 km/h, tudo isso me mantendo estável e seguro.

Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Até dizem que eu não pareço estar tão rápido quanto de fato estou, tamanho o bom trabalho da minha mãe Mercedes-Benz e da AMG em meu isolamento acústico e na rigidez da carroceria. Que, aliás, é tão firme que basta passar por um buraco para ouvir o acabamento fazendo barulho.

Para deixar as coisas mais interessantes, todo Mercedes-Benz C 63 AMG S como eu tem sistema de escape ativo. É assim: se você apertar um botão no meu volante ou no console central, o sistema fica menos restritivo e mais barulho sai lá de trás. Se estiver em Sport+ então, nas reduções de marcha, é capaz de escutar uns estouros enquanto todo mundo dentro da cabine abre o maior sorrisão.

Eu sei que meus rivais não usam mais motores V8 faz tempo e isso me faz diferente de todos eles. Ou melhor, fazia né. É um ronco mais encorpado, alto e que não pede licença para rugir nas ruas e dentro da minha cabine.

Os brutos também amam

Boa parte desse meu jeitinho bruto é culpa da transmissão automatizada de dupla embreagem AMG Speedshift. As trocas de primeira, segunda e terceira marcha são sempre cheias de trancos. Mesmo quando estou andando mais tranquilo, o que incomoda bastante em trânsito pesado. É que na hora de acelerar forte, isso deixa tudo mais divertido.

Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Em compensação, é suavidade pura quando atinjo velocidades mais altas e fico alternando entre sétima, oitava e nona marcha. Na estrada a 120 km/h fico pouco a cima de 1.500 giros em nona marcha. É para conter a sede do meu V8 biturbo que ronrona nessas situações e chega a fazer pouco mais de 10 km/l na estrada.

Como sou um esportivo de verdade, tive de fazer uns pequenos sacrifícios de conforto em nome da boa performance. A minha suspensão é bem dura, daquelas que são capazes de acabar com uma obturação ao passar por um buraco. Mas isso se você estiver no modo Sport+ de suspensão. Então tenha sempre o número de um dentista e de um massagista em seu celular.

Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Meu conjunto tem três modos: Comfort, Sport e Sport+. Em Comfort a convivência com asfalto ruim até que é surpreendentemente tranquila para um carro com o meu pedgree – ainda que admita ser bem durinho. Os pneus run-flat 245/35 R19 na dianteira e 265/35 R19 na traseira tem construção mais rígida e batem seco nos buracos.

Controle de diversão

Mas se tem uma coisa que eu tenho em comum com aqueles muscle-cars V8 norte-americanos é a traseira feliz. Por ser um carro de tração traseira, toda minha força vai lá para as rodas de trás, então basta abusar mais um pouco que eu deslizo na maior alegria.

Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Só que, diferentemente daqueles yankees, eu sou bem controlável. A traseira desliza com facilidade, mas volta para o lugar sem grandes esforços. Tudo por conta dos meus controles de tração e estabilidade, que não são intrusivos e deixam o motorista se divertir sem abusar demais. Mas eu deixo claro que eles são ali atuando o tempo todo.

O volante é meio pesado, admito, mas isso ajuda na hora de conduzir em velocidades mais altas. Só que ele também é bem rápido na atuação, por isso eu digo que sou bom de curvas. Só não abusa do acelerador porque já sabe né? A traseira vai querer dançar um pouco.

Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]

Toques a mais

Bom, mas como eu sou um Mercedes de mais de R$ 700 mil, preciso de alguns atrativos a mais além de velocidade e ronco bonito. Comparado com meus irmãos Classe C produzidos no Brasil, eu C 63 AMG S tenho acabamento um pouco mais sofisticado. Meu painel e portas têm costuras no material macio, que meus irmãos não têm.

A fibra de carbono no console central adiciona um toque de esportividade junto do volante com base reta e Alcântara nas laterais. Ali, um botão redondo seleciona o modo de condução e outro à esquerda pode ser configurado para diversos sistemas eletrônicos diferentes.

Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Mercedes-Benz C 63 AMG S [Auto+ / João Brigato]
Os bancos esportivos seguram bem o corpo dos meus passageiros e ainda têm uma infinidade de regulagens elétricas e aquecimento. A posição de dirigir é bem baixa, mas ninguém reclama porque sou um esportivo, afinal. Mas admito que a idade já pesou um pouco para mim.

O visual é bem verticalizado e algumas tendências de design ali já estão envelhecidas. Mas o maior problema é minha central multimídia. Tem ótimo sistema, menus claros e ótima definição. Mas não é sensível ao toque, o que atrapalha muito no Android Auto e no Apple CarPlay. Para usar, tem que apelar para um rotor no console.

Tento compensar essa falha com um painel de instrumentos digital totalmente configurável e com diversos elementos diferentes. Até dá para personalizar os visores. Tenho também iluminação ambiente com milhares de cores configuráveis. Vai dizer que isso não é chique até para um C 63 AMG S?

Agora, se você não curte muito a sinfonia do meu motor V8 (o que duvido muito), tenho um sistema de som premium com qualidade exemplar, ótimos graves e diversas caixas de som. O teto panorâmico duplo é outra cortesia do meu lado Mercedes-Benz.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]
E assim, com essa carta, me despeço do mundo. Sou o último Classe C assinado pela AMG com motor V8 que será produzido. É o fim do meu legado, pois meu sucessor terá motor quatro cilindros, já adiantou minha mãe. Infelizmente as regras de emissões de poluentes na Europa estão cada vez mais rígidas e caras como eu serão cada vez mais raros.

Com amor, Mercedes-Benz C 63 AMG S.

Veredicto

Carros como o Mercedes-Benz C 63 AMG S serão cada vez mais raros no mundo e celebrar um esportivo de verdade como ele é uma experiência única. Brutal, exagerado, barulhento e duro, ele é a síntese de um carro pensado para a diversão ao volante e capaz de arrancar sorrisos até a 60 km/h.

O preço assusta, o comportamento arisco da traseira mostra que ele não é para pilotos amadores e a idade do conjunto já pesa e muito. Mas é um carro com inegável personalidade e alma, além de extremamente prazeroso ao volante; Passar horas pilotando esse AMG é fácil e gratificante. Resta saber se a Mercedes-Benz conseguirá repetir a dose com um modelo quatro cilindros híbrido.

[Auto+ / João Brigato]
[Auto+ / João Brigato]

>>Mercedes-Benz Classe C 2022: agora só com motores quatro cilindros

>>Avaliação: Volvo S60 T8 R-Design é canivete sueco melhor que os rivais

>>Mercedes-Benz EQA entra no segmento de SUVs compactos elétricos

Sobre o autor

João Brigato

João Brigato

Comente

Clique aqui para comentar